Mais uma confusão jurídica pode tumultuar o já conturbado Campeonato Paranaense. Desta vez, os protagonistas da briga são os dois times rivais de Londrina: Tubarão e Portuguesa Londrinense. O motivo do entrevero é o uso do jogador Edmílson, por parte do Londrina, no clássico entre as duas equipes na abertuda do estadual. O jogador teria atuado sem estar devidamente registrado na Federação Paranaense de Futebol.

Caso isso seja comprovado, o Londrina pode perder 6 pontos.

A descofiança em relação à situação do jogador perante à FPF cresceu assim que o diretor de registros da entidade, Guilherme Rolim de Moura, deu entrevistas com informações desencontradas à imprensa de Londrina. Inicialmente, o diretor, que é filho do presidente da entidade, Onaireves Moura, teria dito que Edmílson estava em situação irregular no jogo de domingo. Depois afirmou que a documentação do volante chegou à FPF na sexta-feira (dia 12), prazo limite para que pudesse ser inscrito e liberado para jogar.

Briga – Para a diretoria da Lusinha somente a palavra do dirigente da FPF não é suficiente. Por isso foi protocolado na FPF, na terça-feira, um pedido de esclarecimento sobre as condições de jogo do atleta. ?Estamos solicitando provas de que a documentação do jogador chegou à federação em tempo hábil? , disse o diretor jurídico da Portuguesa, Hélio Camargo. ?A documentação tinha que estar na FPF até as 19h de sexta-feira (dia 12). Um representante do nosso clube saiu de lá às 19h30 e nada havia na federação. Há um prazo a ser cumprido.

Se não foi cumprido, o jogador está irregular?, afirmou.

Segundo a Lusinha, até o final da tarde de ontem, a FPF não havia encaminhado nenhuma resposta sobre o pedido da Lusinha. Caso permaneça sem informações, a Lusa pedirá explicações através do Tribunal de Justiça Desportiva do Estado (TJD-PR).

O Londrina informou que o volante Edmílson atuou contra a Lusa regularizado. ?O jogador apresentava totais condições de atuar no dia 14. Ele está regularizado desde o dia 10 de janeiro. Tanto a FPF quanto a CBF deram condições de jogo.

O nome do jogador não entrou no Boletim informativo Diário (BID) da federação devido ao acúmulo de contratos?, disse o asssessor Jorge Júnior.