O caso envolvendo o Rio Branco e a possível manipulação de resultados no Campeonato Paranaense começa a ter seus desdobramentos finais. Enquanto o Ministério Público federal (MPF) deve arquivar a denúncia feita pelo presidente do Leão da Estradinha, Leandro Ribeiro, o Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-PR) deu o prazo de 15 dias à procuradoria para que sejam reunidas provas e se defina se haverá denúncia ou se o caso será arquivado.

Em entrevista à Tribuna do Paraná, o presidente do TJD-PR, Leandro Rosa, explicou o procedimento e confirmou que pediu também a abertura do inquérito do caso envolvendo o Andraus e o seu presidente, Nadim Andraus. Segundo ele, o prazo de 15 dias é o prazo que prevê o Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD).

“Não tem denúncia. Houve o pedido para o caso do Rio Branco e do Andraus, encaminhei para dois relatores e agora eles têm 15 dias para fazer as investigações. É o prazo que o CBJD dá. O prazo começou ontem (quarta-feira). Houve um certo problema para reunir tudo e organizar as coisas que saíram na mídia. Agora vai ser feito em forma de inquérito”, explicou.

Ainda de acordo com o presidente do TJD-PR, todo o material que saiu na imprensa é o ponto de partida para o início das investigações, mas não servem para que leve o caso para os tribunais. Nos últimos dias, tão logo o presidente Leandro Ribeiro denunciou o caso alegando que o lateral-esquerdo Thiaguinho teria orquestrado a manipulação de alguns resultados do Leão da Estradinha no segundo turno do Estadual, o jogador fez questão de se defender e ganhou o apoio dos seus companheiros de time, que negaram que isso tem ocorrido.

“O que eu penso é que o que a mídia divulga é sempre o ponto de partida interessante, pois tem a sua importância. É um ponto de partida, mas serve de ponto de chegada, de conclusão. Nesses casos, é preciso de formação de documentos porque pode provocar o apenamento de alguém. Por conta disso, a gente pede mais. Demanda uma investigação e é nesse sentindo que estamos pensando agora. Fazer a instrução, ver o que é levantado de provas e se tiver indícios serão tomadas providências e se não tiver haverá o arquivamento. A investigação vai demonstrar isso”, acrescentou.

Enquanto as investigações seguem nos bastidores, os jogadores do Rio Branco cada vez têm mais certeza que a denúncia feita pelo presidente Leandro Ribeiro aconteceu para tirar o foco da falta de estrutura do clube para a disputa do Campeonato Paranaense. Os salários devidos aos atletas ainda não foram pagos pela diretoria do Leão da Estradinha.

A reportagem da Tribuna do Paraná entrou em contato com alguns jogadores e os mesmos confirmaram que ainda não receberam seus salários. Alguns, inclusive, já estudam a possibilidade de entrar na Justiça contra o Rio Branco. Procurado pela reportagem, o presidente Leandro Ribeiro não atendeu as ligações.