Rio de Janeiro – Uma das principais responsáveis pelo sucesso da terceira etapa da Copa do Mundo de Ginástica, no centro de convenções Riocentro, a torcida carioca, ao que tudo indica, esqueceu do boxe. Em seus dois primeiros dias, o pré-olímpico da modalidade pode ser considerado um fracasso de público, o que já desestimulou os atletas do País, que ontem contabilizou dois competidores eliminados.

“Se essa competição fosse na Bahia, tinha mais de cinco mil pessoas”, disse Uelton de Oliveira, derrotado pelo equatoriano Patrício Calero, por 18 a 14. “Não consegui me encontrar no ringue e achei tanto a minha pontuação quanto a dele exagerada.”

A escassez de público na competição, última oportunidade de os atletas do continente americano se classificarem a Atenas, pode ser comprovada pelos números de ingressos vendidos antecipadamente. Na terça-feira foram 6, ontem, 5, para hoje, 4, sexta-feira, 8, sábado, 4, e domingo, nenhum. Somente em sua abertura, a Copa do Mundo de Ginástica não tinha mais entradas disponíveis para o último dia de final, no domingo passado.

Único brasileiro classificado para Atenas, o meio-médio-ligeiro (até 64kg) Alessandro Mattos, destacou que os torcedores exercem um papel fundamental no boxe. Frisou que a participação das pessoas influenciam até os juízes.