Jacob Zuma, presidente da África do Sul, criticou nesta terça-feira a postura da Federação Internacional das Associações de Atletismo (Iaaf, na sigla em inglês) ao receber a corredora Caster Semenya, campeã dos 800 metros no Mundial de Atletismo, que teve seu gênero colocado em suspeita pela entidade.

Zuma revelou que o ministro dos Esportes da África do Sul escreveu uma carta à Iaaf para expressar “nossa desilusão pela forma que o organismo tratou o assunto”, disse. “Uma coisa é averiguar se um atleta tem vantagem injusta sobre os outros, mas é diferente humilhar publicamente uma atleta profissional honesta e competente”, completou.

O presidente da Federação de Atletismo da África do Sul disse que renunciou ao seu posto na junta da Iaaf em protesto contra o tratamento recebido por Semenya. “Não vamos permitir que os europeus descrevam e definam os nossos filhos”, disse.

Semenya falou brevemente depois do presidente Jacob Zuma discursar festejando a volta dos atletas sul-africanos. Ela revelou que antes da final dos 800 metros seu treinador lhe disse para “matá-las nos últimos 200 [metros]. Fiz o que ele me disse, mas tinha a vantagem nos últimos 400. Comemorei nos últimos 200. Foi fabuloso”.