O presidente da Juventus, Andrea Agnelli, obteve recurso junto à Federação Italiana de Futebol nesta segunda-feira e teve anulada a suspensão de um ano que cumpria desde setembro. O cartola havia sido punido sob acusação de ter participado de um esquema de venda ilegal de ingressos para torcedores organizados do clube, que são considerados perigosos.

Ao julgar o recurso apresentado por Agnelli, a Federação decidiu trocar a suspensão por uma multa mais alta e pela obrigação de o clube fechar um dos setores do seu estádio em futuro jogo, contra o Genoa, no dia 22 de janeiro, em rodada do Campeonato Italiano.

A multa para o dirigente dobrou e atingiu o valor de 100 mil euros (cerca de R$ 387 mil). Além disso, o próprio clube foi multado em 600 mil euros (R$ 2,3 milhões).

De acordo com a denúncia da Federação Italiana, Agnelli autorizou a venda de ingressos para partidas e carnês para a temporada a integrantes de uma organizada da Juventus. Ele próprio admitiu ter se encontrado com Rocco Dominello, líder desta torcida que é ligado à ‘Ndrangheta, máfia localizada na Calábria, e que já foi condenado a oito anos de prisão.