O presidente do Palermo, Maurizio Zamparini, foi interrogado nesta quarta-feira (1.°) pela polícia italiana, no âmbito de uma investigação sobre supostas relações da máfia siciliana com o clube que disputa a primeira divisão do Campeonato Italiano.

“Não tenho nada a dizer. Não quero comentar nada. Perguntem tudo aos promotores. Eu falo somente de futebol”, disse Zamparini, na saída da sede da polícia em Roma, onde foi ouvido como testemunha do caso.

O dirigente nega categoricamente que tenha qualquer envolvimento com organizações criminosas.

As autoridades italianas suspeitam que o crime organizado interferiu na política de contratações e dispensas do clube siciliano e entregou ingressos de partidas gratuitamente a pessoas ligadas à máfia.

A investigação levou à prisão, na semana passada, do ex-diretor técnico do setor juvenil do Palermo, Giovanni Pecoraro, e do advogado Marcello Trapani, que é também procurador de alguns jogadores do clube.