O Paraná Clube inicia a temporada 2013 com planos ambiciosos. De volta à elite estadual, a conquista de um título que não vem desde 2006 é a primeira meta. Com a manutenção da base do ano passado, o presidente Rubens Bohlen espera, agora, a união dos torcedores em torno deste objetivo. Ontem, na reapresentação do elenco, ele lançou um desafio: uma média de dez mil paranistas por jogo, já no Campeonato Paranaense.

Para atingir essa marca, o Tricolor terá que triplicar o público que frequentou a Vila Capanema durante a disputa da Série B. “Sei que se trata de uma proposta audaciosa, mas confio na nossa torcida. A força dessa nação é que fará do Paraná um time mais uma vez vencedor e proporcionará ao clube a arrecadação necessária para cumprirmos os compromissos ao longo do ano”, disse o presidente paranista.

O Tricolor fechou a recente edição da Série B com uma média de 3.296 pagantes. Durante a disputa, os dois melhores públicos não atingiram o número pretendido por Rubens Bohlen: 9.241 (Atlético) e 7.171 (Ceará). Porém, para atrair os tricolores de volta à Vila Capanema, o dirigente leu uma nota oficial com teor altamente otimista. “Com apenas oito anos de existência, já éramos seis vezes campeões estaduais e havíamos conquistado um título nacional”, lembrou Bohlen. “Em 2012, começamos a trilhar o nosso caminho de volta ao lugar de direito do Tricolor”, frisou, lembrando da retomada das categorias de base, da recuperação da estrutura social e da volta à elite do futebol paranaense. “Para 2013, esperamos consolidar o projeto cuidadosamente traçado no início dessa gestão”, completou.

O projeto citado por Rubens Bohlen envolve não apenas os resultados de campo, mas também a recuperação patrimonial do Paraná. No fim do ano passado, o clube anunciou a parceria com o Espaço Torres para a revitalização do salão nobre da sede da Kennedy. Durante o ano, o clube estará trabalhando firmemente no sentido de modernizar o Durival Britto e resgatar o Érton Coelho Queiroz. A Vila Olímpica do Boqueirão será utilizada, se não houver imprevistos, em alguns jogos pontuais do Paranaense. “É uma região interessante e queremos trazer esse público de volta ao estádio. É claro que para isso serão necessárias algumas melhorias e estamos viabilizando as obras”, confirmou Bohlen.

Porém, a Vila Capanema continuará sendo o principal reduto paranista. O clube pretende lançar nas próximas semanas a campanha para a implantação da cobertura na Curva Norte, adaptando o setor para shows e assegurando, assim, uma nova fonte de arrecadação. O Durival Britto ainda receberá um museu, sob a arquibancada da Reta do Relógio, e o histórico relógio do estádio ganhará uma nova “roupagem”, com iluminação e pintura especiais. “Queremos dar maior conforto ao nosso torcedor e fazer da Vila um local ainda melhor para nós paranistas”, disse Bohlen. “Tudo isso, é claro, com um time competitivo. É neste sentido que estamos trabalhando. Reforços já chegaram e ainda vem mais por aí”, assegurou o presidente do Paraná, finalizando: “2013 será o ano do Paraná Clube e da nação paranista.”