A pressa por ter o novo técnico deve fazer o São Paulo abandonar o projeto de trazer um profissional estrangeiro e priorizar os esforços no mercado nacional. Dentro do clube, o nome do treinador do Flamengo, Vanderlei Luxemburgo, ganha força entre os conselheiros e aparece como o favorito a substituir Muricy Ramalho.

Luxemburgo tem como entrave a multa de aproximadamente R$ 1 milhão que tem como o Flamengo. Caso acerte com o São Paulo, o técnico vai ter de pagar o valor antes de assumir o único clube do futebol paulista que ainda não dirigiu.

Dentro do Conselho Deliberativo da equipe do Morumbi a possibilidade de trazer Luxemburgo agrada e tem ganhado adeptos. Um dos poucos dirigentes a ser contra a vinda do técnico do Flamengo é o ex-presidente Juvenal Juvêncio, que em 2013, quando era mandatário do clube, recusou a possibilidade de trazer o treinador para a vaga de Ney Franco, demitido em julho daquele ano.

O atual presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, chegou a procurar também o argentino Alejandro Sabella, ex-técnico da seleção de seu país. O treinador está sem emprego desde a Copa do Mundo e se retirou para descansar no interior. Fora o clube paulista, Sabella também interessa ao Manchester City, da Inglaterra, e espera o desfecho do convite feito pelos europeus antes de pensar no clube do Morumbi.

Porém a diretoria do São Paulo tem pressa para definir o novo comandante. No próximo fim de semana o time encara o Red Bull em jogo único pelas quartas de final do Campeonato Paulista e na quarta-feira seguinte viaja ao Uruguai, onde faz partida decisiva contra o Danubio, pela penúltima rodada do grupo 2 da Libertadores.

Essa urgência configura um quadro favorável para investir em Luxemburgo, técnico que já demonstrou no passado a vontade de comandar o São Paulo. Além do treinador do Flamengo, a diretoria trabalha com o nome de Abel Braga, que foi sugerido por Muricy Ramalho em reunião na segunda-feira, quando o ex-técnico firmou sua saída.