Se no Brasil fala-se que o ano só começa após o Carnaval, os atleticanos esperam que a temporada para o Furacão inicie de fato ainda mais tarde, a partir desse domingo (10), às 16 horas, contra o Internacional, na Arena da Baixada.

Depois das frustrações nos primeiros quatro meses da temporada, o Atlético tem no Brasileiro a principal chance de evitar um 2015 marcado por uma sucessão de tristezas – o clube ainda jogará a Copa Sul-Americana no segundo semestre.

Até agora não tem sido fácil para os rubro-negros, especialmente em um ano que prometia ser sensacional.

Depois de sofrer com as reformas da Arena desde 2012, o time iniciou o Paranaense finalmente podendo jogar no seu estádio padrão Fifa desde o início – sem sanções da Justiça desportiva.

Praça esportiva com teto retrátil, a grande novidade estética em estádios brasileiros e que prometia alavancar a presença de público em jogos e eventos.

Soma-se a esperança criada com a promessa da diretoria de que esse seria o ano do futebol e a manutenção da base da equipe que ficou em oitavo lugar na edição passada do Brasileiro.

Mas até agora a expectativa só virou frustração com a nona colocação no Paranaense – com direito a participação no Torneio da Morte – e a eliminação na segunda fase da Copa Brasil, em casa, diante do Tupi, representante mineiro da Série C.

O Atlético do técnico Milton Mendes aposta justamente na mesma escalação que iniciou a partida contra o Tupi, na quarta-feira (6), para estabelecer um novo marco zero no 2015. A justificativa é que o time, mesmo sendo eliminado, “evoluiu”.