O primeiro treino livre da Fórmula Indy em São Paulo, realizado na manhã deste sábado, marcou a estreia do circuito de rua do Anhembi. E a reta do Sambódromo, com seu piso de concreto, baixa aderência e os carros escorregando em direção ao muro, foi a principal atração, deixando em segundo plano os tempos cravados pelos pilotos.

O forte calor exigiu bastante fisicamente dos pilotos – foi 32ºC no ambiente e mais de 40ºC na pista. As melhores voltas ficaram em torno do esperado, sendo que o mais rápido foi o neozelandês Scott Dixon (Chip Ganassi), com 1min31s7707. Logo atrás vieram o australiano Ryan Briscoe (Penske), a 0s2024, e o brasileiro Tony Kanaan (Andretti), a 0s2046.

Ficou visível também a poeira na pista, que atrapalhou bastante a todos. O venezuelano Ernesto Viso, por exemplo, raspou por um longo trecho no muro da reta do Sambódromo. Já a também venezuelana Milka Duno atingiu de bico o muro, após derrapar. De uma maneira geral, os carros balançaram muito neste trecho, por causa da baixa aderência na pista de concreto aliada à necessidade de acelerar.

A honra da primeira volta na pista de São Paulo foi do brasileiro Hélio Castroneves, com sua Penske. Ele apenas circulou para sentir as condições do carro e voltou aos boxes para colocar os pneus de corrida. Todos os pilotos, ao longo da sessão, foram cerca de seis vezes aos boxes para alterações no carro.

ESCAPADAS – O escocês Dario Franchitti, atual campeão da categoria, teve problemas em seu Chip Ganassi, escapou na reta de Marte, mas conseguiu voltar. Já o norte-americano Dan Wheldon precisou mexer em todo o seu carro, trocando os amortecedores. Mas, aos poucos, os carros começaram a se estabilizar.

E o primeiro a se acidentar foi justamente o brasileiro Mario Romancini, que bateu forte no trecho interno, perto dos boxes, destruindo sua suspensão traseira direita e a asa, o que complicou seu trabalho de ajuste e reconhecimento do carro visando o treino que define o grid, ainda neste sábado, e a corrida, marcada para domingo.

Mesmo com esses problemas, apenas duas vezes o treino foi interrompido com bandeira amarela. Enquanto isso, até os jornalistas tiveram dificuldades para trabalhar no primeiro treino livre, por causa da chuva que caiu em São Paulo durante a madrugada, que danificou equipamentos – os tempos dos pilotos ficaram à disposição apenas na parte final.

A segunda sessão de treino livre é mais curta, ainda neste sábado: das 12h30 às 13h30. Depois, a partir das 15h30, será definido o grid de largada da prova.