O volante Ataliba já está
regularizado e mais tranqüilo.

A campanha do Coritiba no Brasileirão do ano passado está fazendo as vezes de consolo para o elenco alviverde, que viu os seis pontos conquistados nas primeiras rodadas serem tirados pelo Tribunal de Justiça da CBF.

Em 2003, ao jogar contra o Figueirense pela quinta rodada no Brasileirão, o Coritiba tinha apenas um ponto na classificação e vivia a pressão de ainda não ter conquistado sequer uma vitória. O peso nas costas dos jogadores era ainda maior pelo fato de o Coxa ter sido campeão estadual, invicto.

Esse ano, a história está – ou estava – sendo diferente. O Coxa estreou com vitória, conseguiu três empates e mantém uma invencibilidade de 14 jogos. Em função da razoável campanha até agora, o técnico Antônio Lopes está convicto de que a perda de pontos no tribunal não vai influenciar o desempenho de seus comandados. Após uma reunião com os atletas ontem à tarde, no CT da Graciosa, o treinador estava otimista. “Alguns jogadores tomaram a iniciativa de assumir a responsabilidade de correr atrás e lembraram da campanha do ano passado. Pela boa situação que se vive dentro de campo, a confiança permanece.”

O capitão da equipe, Reginaldo Nascimento, garantiu que o espírito de luta continuará o mesmo e que o time está no caminho certo. “Temos nossas obrigações dentro de campo e vamos continuar cumprindo nosso papel”, diz. Ele confirmou as palavras de Lopes referentes à campanha de 2003. “Tive a felicidade de fazer parte daquele grupo que começou mal, se recuperou e terminou o ano classificado para a Libertadores. Esse episódio nos deixa mais fortes nessa luta.”

O volante Ataliba, que desde que teve seu nome envolvido na denúncia tornou-se mais reservado, ontem foi mais ameno nas palavras dirigidas à CBF. “Foi um erro humano que se tornou público.” Logo após o julgamento, na segunda-feira, ele disparou contra os auditores da comissão, mas garantiu que foi um desabafo. “Estava de cabeça quente. Foi muito duro ver de perto o Coritiba perder seis pontos, mesmo com o meu contrato regularizado. Mas agora é levantar a cabeça e ir à luta.”

Com a reapresentação do aditivo de contrato de Ataliba na CBF na noite de segunda-feira, seu nome já constava no BID de ontem, de forma que ele estará à disposição do técnico Antônio Lopes para a partida contra o São Paulo, domingo, às 18h, no Couto Pereira.

Clube já prepara a nova defesa

O Coritiba não vai desistir da luta para manter os seis pontos conquistados no Brasileirão até agora. Ontem à tarde, o vice-presidente do clube, Domingos Moro, permaneceu no Rio de Janeiro ao lado do coordenador Oscar Yamato e do funcionário Fábio Zanetti, confirmando a inclusão de Ataliba no BID. Mais que isso, Moro começou desde já a elaborar a defesa do clube para dar entrada com um recurso, amanhã, no Superior Tribunal de Justiça Desportiva.

O voto em defesa do Coritiba dado pelo presidente da comissão disciplinar, Vanderley Rebelo, será o ponto de partida para a defesa no “segundo round” da luta no tribunal. “Ele disse que houve erro do Coritiba, da FPF e da CBF, por isso não seria justo punir exclusivamente o clube”, disse Moro.

Com a defesa do auditor e com a confirmação do nome de Ataliba no BID de ontem, que não deixa de ser o reconhecimento de que, de fato, o atleta tinha contrato com o Coritiba, Moro está esperançoso e acredita na recuperação dos pontos. “Sabíamos que o julgamento na comissão disciplinar seria muito difícil. Ganhar um dos votos já foi uma vitória. Agora a luta será no tribunal pleno”, disse.

A confiança em uma melhor sorte no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) tem relação com a maleabilidade do STJD em relação aos regulamentos das competições. Moro cita como exemplo o caso envolvendo Paranavaí e Gama, na Copa do Brasil, também envolvendo um atleta com registro irregular. No julgamento da comissão disciplinar, com interpretação rigorosa do regulamento, o time paranaense saiu vitorioso. Entretanto, ao recorrer a STJD, o Gama levou a melhor. “No pleno, a análise será diferente. E como possivelmente o julgamento de nosso recurso seja só daqui a duas semanas, devem estourar vários casos envolvendo falha de registro de BID, resultado das falhas do departamento de registro.” Com base nesses possíveis casos, o Coritiba terá mais armas na sua defesa.