Manifestantes realizaram nesta manhã de sexta-feira um protesto em frente ao Estádio Nacional de Brasília, também conhecido como Mané Garrincha, que receberá neste sábado a abertura da Copa das Confederações. O trânsito ficou parado na região por volta de uma hora e meia. Os manifestantes queimaram pneus e ocuparam todas as faixas do Eixo Monumental, principal via de acesso ao estádio. Com o protesto, o tráfego de veículos ficou congestionado em diversos outros pontos da cidade.

Rogério da Cunha, integrante do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), afirmou que a manifestação reuniu pessoas de vários grupos. Entre os questionamentos dos manifestantes estavam o custo do estádio e a política habitacional do Distrito Federal. “Queremos mostrar para o País que no Distrito Federal tem sem-teto e tem pobre, enquanto o governo gasta R$ 1,5 bilhão em um estádio”, disse. O efetivo da Polícia Militar foi reforçado no local, com integrantes do Batalhão de Choque.

Segundo os organizadores, aproximadamente 700 pessoas participaram do ato. A PM, no entanto, estimou que o protesto reuniu cerca de 300 manifestantes. Após negociação, ficou acertado que uma comitiva será recebida por integrantes do Governo do Distrito Federal (GDF) e a via foi desobstruída. O grupo se uniu, então, a outros manifestantes – técnicos da área de saúde – na praça que fica em frente ao Palácio do Buriti, sede do GDF.

O Estádio Nacional de Brasília será palco da estreia do Brasil nesta edição da Copa das Confederações, às 16 horas deste sábado, contra o Japão. O confronto abrirá o Grupo A da competição, que também conta com México e Itália como integrantes. Estes dois países irão se enfrentar no domingo, também às 16 horas, no Maracanã.