Diante de um adversário que se aproveitou de um bom contra-ataque em um lance de bola parada, o Real Madrid esteve muito perto da derrota na estreia pelo grupo D da Liga dos Campeões, diante do Manchester City, mas obteve uma vitória por 3 a 2 de virada, com dois gols nos últimos minutos.

O resultado obtido no estádio Santiago Bernabéu já coloca o Real na liderança da chave, com três pontos. O Borussia Dortmund, que bateu o Ajax por 1 a 0 em casa, também tem três e perde no critério de gols marcados.

Os ‘Citizens’ venciam a partida por 2 a 1 graças a um gol de Kolarov aos 40 minutos do segundo tempo, mas Benzema empatou logo depois e Cristiano Ronaldo virou. Antes, Dzeko havia aberto placar, e Marcelo, igualado.

No Signal Iduna Park, em Dortmund, o time anfitrião perdeu até pênalti, mas também levou a melhor com um gol marcado perto do apito final. Lewandowski foi quem balançou a rede.

A segunda rodada do grupo D está marcada para o dia 3 de outubro. O Real irá até Amsterdã encara o Ajax, e o City receberá o Dortmund, no duelo entre os detentores do título do Campeonato Holandês e do Campeonato Inglês.

No confronto entre o atual campeão espanhol e o da Inglaterra, o técnico José Mourinho surpreendeu ao escalar o time do Real com três volantes, deixando Modrid, Özil e Kaká no banco. Outro que começou entre os reservas foi o zagueiro e lateral Sergio Ramos, que deu lugar a Varane.

No City, o lateral brasileiro Maicon começou jogando. No ataque, Tévez atuou de maneira isolada, abastecido por uma forte linha de cinco meio-campistas. Agüero, que volta de lesão, ficou como opção para uma troca.

Tentando fazer valer o mando de campo, o time madrilenho teve maior posse de bola desde o começo, o goleiro Hart trabalhou logo cedo. Aos oito minutos do primeiro tempo, Cristiano Ronaldo dominou na esquerda, driblou Kompany e bateu cruzado. O camisa 1 pulou e espalmou para o lado. Três minutos depois, CR7 bateu mais uma no mesmo lado, e o arqueiro ingles salvou novamente.

O City raramente atacava, e Casillas trabalhava pouco. No Real, a maioria das chances passava pelos pés de Cristiano, como aos 20 minutos, quando o atacante deu um belo lençol no marcador e arrematou. Após desvio na zaga, Khedira ficou com a sobra e encobriu a meta.

A forte marcação dos donos da casa obrigava a equipe visitante a apelar para os lançamentos longos. Num deles, aos 30 minutos Yaya Touré acionou Nasri, mas Casillas chegou antes. Na sequência, aos 36, o francês teve que ser atendido fora de campo, não conseguiu voltar e foi substituído por Kolarov.

A mudança foi ruim em um primeiro momento e tornou ainda menos incisivo o ataque do City, que quase não criava. Para piorar, o atual campeão inglês quase foi para o vestiário em desvantagem. Aos 41 minutos, Di María cortou da direita para o meio e tirou tinta da trave com um chute colocado.

O intervalo não freou o ímpeto ofensivo do Real. Os ‘Citizens’ incomodaram com uma cabeçada de Javi García, aos nove minutos, mas levou o troco no lance seguinte. Nastasic recuou fraco e Hart saiu para evitar que Higuaín abrisse o placar.

Pouco depois, aos 14 e aos 18, Marcelo finalizou duas vezes de fora da área. A primeira tentativa passou perigosamente à esquerda, e, na segunda, Hart se esticou, mas nem chegou a desviar, e a bola foi por cima do travessão.

A insistência do Real foi tanta, que o sistema defensivo ficou exposto e o City aproveitou. Aos 24 minutos, Yayá Touré acelerou no três contra dois e tocou na esquerda para Dzeko. O atacante bósnio esperou o momento certo e bateu rasteiro na saída de Casillas.

Para tentar atenuar um possível princípio de crise na equipe de Mourinho, Marcelo empatou aos 30. O lateral brasileiro recebeu na entrada da área, ajeitou para o pé direito, chutou forte e ainda contou com desvio para vencer Hart.

A partir daí, o duelo ficou aberto e qualquer um dos times poderia sair vencedor. Os ingleses chegaram perto disso ao desempatarem o placar aos 40 minutos, com gol de Kolarov. O Substituto de Nasri bateu falta com veneno da direita, viu a bola passar por todo mundo e entrar diretamente.

A equipe de Madri não desistiu de obter ao menos um ponto e igualou novamente aos 42. Benzema, que entrou em lugar de Higuaín, girou para cima da defesa e acertou o cantinho, sem chances para Hart.

O goleiro do City fez duas boas defesas depois, mas falhou em um lance crucial, que deu a vitória ao Real. Cristiano Ronaldo foi acionado na direita, driblou Zabaleta e bateu rasteiro. Hart aceitou.

Em Dortmund, o Borussia também pressionou o Ajax desde os primeiros minutos, mas quem esteve mais perto do gol na etapa inicial foi o time de Amsterdã. Aos 35, Weidenfeller saiu do gol para afastar lançamento para Boerrigter, mas deu a bola nos pés de Babel. Cercado, contudo, o atacante não conseguiu concluir.

Logo aos três minutos da etapa final, Siem de Jong ficou cara a cara com Weidenfeller, que fechou bem o ângulo e evitou o gol. A jogada passou a impressão de que a partida ganharia em emoção, mas não foi o que aconteceu.

Aos 13 minutos, aconteceu a melhor chance do confronto, um pênalti de Van Rhijn em Götze. O zagueiro Hummels cobrou e parou na defesa de Vermeer.

A partir daí, o Ajax se fechou na defesa, mostrando-se satisfeito com o ponto obtido fora de casa com o 0 a 0. Mas o Dortmund insistiu e fez o gol da vitória aos 42 minutos, com Lewadowski, que aproveitou cruzamento de Gündogan e concluiu com força.

Ficha técnica:.

Real Madrid: Casillas; Arbeloa, Varane, Pepe e Marcelo; Khedira (Modric), Xabi Alonso, Essien (Özil) e Di María; Cristiano Ronaldo e Higuaín (Benzema). Técnico: José Mourinho.

Manchester City: Hart; Maicon (Zabaleta), Kompany, Nastasic e Clichy; Javi García, Yaya Touré, Barry, Nasri (Kolarov) e Silva (Dzeko); Tévez. Técnico: Roberto Mancini.

Árbitro: Damir Skomina (Eslovênia), auxiliado por seus compatriotas Primoz Arhar e Matej Zunic.

Cartões amarelos: Javi García e Kompany (Manchester City).

Gols: Marcelo, Benzema e Cristiano Ronaldo (Real Madrid); Dzeko e Kolarov (Manchester City).

Estádio: Santiago Bernabéu, em Madri (Espanha).