Foi só o primeiro jogo, mas a atuação decepcionante frente ao Avaí faz com que a diretoria paranista acelere o processo de contratações. Mesmo sob o discurso de ?agir com tranqüilidade, para não trazer por trazer?, o objetivo do vice de futebol é entregar ao longo desta semana pelo menos mais quatro reforços para a comissão técnica. O Paraná corre atrás de dois alas – um para a direita outro para a esquerda -, um zagueiro e um meia-armador.

Bonamigo, mesmo sempre enaltecendo o desempenho de Éverton pelo lado esquerdo, admitiu que a falta de jogadores especialistas para as extremas é um problema crônico desde a sua chegada ao clube. Na direita, por exemplo, teve sempre que buscar improvisações ou apostar em garotos ainda não preparados. Uma história recorrente ao longo do Paranaense e que se repetiu na largada da Série B.

Para o próximo jogo, em Fortaleza, sábado, ao menos Bonamigo contará com Angelo, após suspensão. Outro que retorna após cumprir automática é o atacante Joelson. Além disso, a comissão técnica espera contar com o volante Agenor.

O departamento jurídico do Paraná e o advogado do atleta seguem amanhã para Brasília, onde tentam derrubar o mandado de segurança obtido por Luís Estevão, presidente do Brasiliense.

?Analisamos toda a documentação e o Agenor está bem fundamentado na rescisão judicial de seu contrato com o clube do Distrito Federal?, comentou o vice jurídico do Tricolor, César Augusto Machado de Mello. Agenor obteve liminar na Justiça do Trabalho pelo não depósito do FGTS. Também durante a semana, o departamento de futebol espera regularizar a situação do atacante Marcelinho junto à CBF, que assim ficaria à disposição de Bonamigo para fazer a sua estréia.