O Paraná Clube abriu a primeira semana da pré-temporada sem novidades. O técnico Toninho Cecílio, ao que tudo indica, irá iniciar a caminhada do Campeonato Paranaense carente de novas opções para as laterais. Os garotos Ângelo e Henrique, assim, surgem como titulares do Tricolor, que encara o Nacional de Rolândia, dia 20 de janeiro, na Vila Capanema.

A diretoria tenta definir até sexta-feira as três últimas contratações para a disputa do Estadual. “Num primeiro momento, é isso. Com dois laterais e um atacante de área fechamos o primeiro ciclo de contratações”, disse o gerente de futebol Alex Brasil. “Mas, é claro, que um clube nunca está totalmente fechado ao mercado. Só damos um tempo para medir o desempenho do grupo nas primeiras rodadas da competição” completou.

O Paraná, hoje, trabalha com 26 jogadores, sendo cinco deles garotos recém-promovidos da base. “Alguns ajustes poderão ocorrer mais pra frente. Inicialmente, vamos chegar aos 29 atletas, com as contratações que estão por vir”, analisou Brasil. o Tricolor, até aqui, já trouxe cinco reforços. Mesmo tendo confirmado quatro desses nomes (o goleiro Marcos, o meia Rubinho e os atacantes Reinaldo e Paulo Renê) no mês passado, até o momento nenhum deles foi liberado para a “primeira coletiva”. Isso só deve ocorrer quando os contratos estiverem registrados na CBF, o que deve demorar alguns dias. Tanto a CBF quanto a Federação Paranaense de Futebol só reabriram ontem, após o recesso de fim de ano.

Além do quarteto, o volante Júnior Capixaba também depende deste registro para ser anunciado oficialmente como reforço do Tricolor. O jogador, que por três temporadas foi destaque no futebol do Espírito Santo, atuando pelo Vitória, chega como aposta do Paraná para substituir Cambará e Packer, que vão disputar o Paulistão por Ituano e Botafogo de Ribeirão Preto, respectivamente. “Trata-se de um jogador versátil, com bom poder de marcação e ótima saída de bola”, atesta o empresário do atleta, Marcos Amaral.

Além de Júnior Capixaba, Amaral viabilizou também as contratações de Rubinho (Luverdense-MT) e Paulo Renê (Gama-DF). Já na questão dos laterais, a negociação ocorre entre clube e atletas, sem a necessidade da parceria. “Temos algumas negociações bem adiantadas. Mas não podemos antecipar nomes antes dos contratos estarem firmados. É uma norma do clube, que nos dá maior segurança”, ponderou Alex Brasil. “Ainda esta semana, se não houver imprevistos, entregaremos um grupo equilibrado à comissão técnica, com pelo menos duas opções para cada posição”, concluiu.