Muita luta, pouca criatividade e nenhum gol. Palmeiras e Vasco não saíram de um fraco 0 a 0 neste domingo e deixaram sob vaias o gramado do Pacaembu. O resultado do jogo, válido pela 21.ª rodada do Brasileirão, não foi bom para nenhum dos dois times.

Com o empate, o 11.º da equipe no campeonato, o Palmeiras chegou a 26 pontos, mas segue no meio da tabela, cinco pontos à frente do Atlético-MG, o melhor da zona do rebaixamento. Já o Vasco, que continua invicto após a Copa do Mundo, obteve sua décima igualdade e foi aos 28 pontos. Perdeu, no entanto, a chance de encostar no G-4.

A forte marcação e o estilo de jogo cauteloso das duas equipes deixou a partida ruim no primeiro tempo. Raras foram as sequências de passes certos e a chances de algum jogador ficar com a bola nos pés para armar algum bom lance.

Abdicando da estratégia de jogar no contra-ataque, o Vasco foi quem mais tomou a iniciativa de atacar, conseguindo, inclusive, levar perigo ao gol de Deola num chute de longe de Nunes e num cruzamento de Fágner que o mesmo Nunes não conseguiu desviar para as redes.

Com três atacantes, o Palmeiras sentiu falta de um meia de armação – Valdivia começou no banco de reservas. Segundo Luiz Felipe Scolari, o chileno ainda precisa aprimorar a forma física e não tem condições de atuar por 90 minutos.

No segundo tempo, a entrada do chileno, que completou sua centésima partida pelo Palmeiras, em nada melhorou a dinâmica do time da casa. O único lance criativo aconteceu aos 8 minutos, quando Ewerthon tabelou com Valdivia e bateu próximo ao gol. O Vasco, por sua vez, passou a jogar nos contra-ataques, mas sem eficiência.

Na próxima rodada, o Palmeiras encara o Grêmio, na quarta-feira, às 19h30, no Estádio Olímpico, em Porto Alegre. No dia seguinte, às 21h, o Vasco recebe o Avaí, em São Januário.

FICHA TÉCNICA

Palmeiras 0 x 0 Vasco

Palmeiras – Deola; Vítor, Maurício Ramos, Danilo e Rivaldo; Edinho, Márcio Araújo e Tinga (Patrik); Luan (Valdivia), Kleber e Ewerthon (Tadeu). Técnico – Luiz Felipe Scolari.

Vasco – Fernado Prass; Fagner, Dedé, Titi e Jumar; Nilton, Rafael Carioca (Fumagalli), Felipe Bastos (Rômulo) e Zé Roberto; Éder Luis e Nunes (Jonathan). Técnico – Paulo César Gusmão.

Árbitro – Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS).

Cartão amarelo – Fumagalli.

Público – 15.313 pagantes (16.976 total).

Renda – R$ 441.475,00.

Local – Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP).