Depois de dois meses afastado por causa de uma cirurgia no tornozelo direito, Renato Chaves voltou a ser titular do Fluminense no empate por 2 a 2 com o Sport, na quarta-feira, na Ilha do Retiro. O jogador viu a festa quase ficar completa quando deixou sua marca e fez o segundo gol do time carioca, mas o adversário reagiu e arrancou o empate no segundo tempo. Mesmo assim, ele celebrou o retorno.

“Estou voltando agora, entrando no ritmo. Foi muito bom marcar. Fazer gol pelo Fluminense sempre é ótimo, ainda mais depois dessa volta, primeiro jogo como titular. Fiquei dois meses parado e voltar bem depois de uma cirurgia grave, sem dor, é muito bom. E só tende a evoluir, com mais uma sequência, vou estar 100%”, declarou nesta quinta-feira, no desembarque da equipe no Rio.

A felicidade com o gol contrastou com a frustração pela perda da vantagem de 2 a 0 construída logo no início da partida. O ponto ganho no Recife foi valorizado por Renato Chaves, que, no entanto, avaliou que a história poderia ter sido diferente se não fosse a expulsão do volante Orejuela no segundo tempo.

“A gente sabe que o Sport lá no Recife é muito forte, ainda mais na Ilha do Retiro, então, tem que valorizar nosso empate. Eles vieram para cima e conseguiram o empate, mas achei que fomos prejudicados em alguns lances. Temos que valorizar o ponto fora e pensar agora nos três pontos em casa que vai acontecer no sábado”, considerou, já mirando o jogo com o Atlético-GO em casa.

O zagueiro também exaltou as homenagens a Abel Braga, que foi aplaudido e ovacionado pela torcida da casa após a morte de seu filho mais novo no sábado. “Foi uma homenagem de arrepiar, muito bonita, a gente sentiu o apoio de todo mundo. Com certeza, ele é um cara muito forte e vamos tirar de exemplo para o resto da vida. A gente está com ele até o final e enquanto estivermos perto, vamos fazer de tudo para dar força a ele. É um cara excepcional, bom caráter, trabalho duro, isso nos fortalece não só como atleta, mas como ser humano.”