A situação do Atlético saiu de difícil para periclitante após o empate em casa por 0 x 0 contra o Avaí. Até agora foram apenas 2 pontos em nove jogos, com apenas dois gols marcados.

Se o pessimismo toma conta dos rubro-negros, o técnico Renato Gaúcho tenta blindar o elenco. Depois da partida de sábado à noite, o treinador se recusou a fazer comentários individuais e foi só elogios ao grupo, principalmente quando perguntando sobre a inoperância das duas laterais, com Marcelo Oliveira e Wagner Diniz.

“Eles já estão lá no fundo do poço. Sei que é o trabalho de vocês, mas o meu trabalho é botar meu grupo para cima. Não adianta ficar batendo neles. Tenho que ter um grupo de cabeça erguida, para trabalhar, jogar”, disse o comandante.

O volante Kléberson é um dos que procurar dar moral ao time e também se encher de moral. “É importante neste momento que eu possa melhorar meu futebol. Estou trabalhando para isso. Está do jeito que eu gosto de jogar e quando eu tenho confiança as coisas acontecem da melhor maneira possível”, disse.

E é exatamente isso que Renato Gaúcho espera: que cada jogador recupere a confiança para entrar em campo e mudar a situação delicada que o Rubro-Negro encara com o péssimo começo de Série A.

Para o treinador é fundamental também que a torcida saiba que o time está empenhado em reverter a situação. “Sei que ela está triste, mas pode ficar tranquila que os jogadores estão tristes também. E o trabalho vai continuar para que possamos juntos tirar o Atlético desta situação”, disse.

O trabalhador promete trabalho duro para encarar o Vasco, no próximo sábado, às 18h30, em São Januário. “Vamos treinar segunda [hoje] e terça, em dois períodos, a parte física, técnica, chute a gol, defesa, meio-campo e ataque. Trabalhar o máximo que puder para jogar melhor com o Vasco e que possa conseguir a primeira vitória”, afirmou o otimista Renato Gaúcho.