O Brasil venceu o México no ano passado pela Copa dos Confederações por 2 a 0, no mesmo Castelão que será palco da partida desta terça-feira. Mas até mesmo para cinco jogadores que estavam naquela partida, outra vitória vai ter um gostinho de vingança. É que Thiago Silva, Marcelo, Oscar, Hulk e Neymar estavam no time brasileiro batido por 2 a 1 pelos mexicanos na final dos Jogos de Londres, em agosto de 2012, derrota que tirou do peito deles a inédita medalha olímpica de ouro.

Na atual seleção do México há dez jogadores que estavam na Olimpíada. Quatro deles jogaram como titulares na vitória por 1 a 0 sobre Camarões – Salcido, Herrera, Fabian e Peralta, por sinal autor do gol sobre os africanos. Isso também faz aumentar no quinteto a já natural vontade de vencer.

“Fiquei triste por perder aquele jogo. Era uma medalha de ouro que o Brasil nunca conquistou e perdemos na final”, disse Oscar, neste sábado. “Sabemos que o México é muito bom. Sempre trouxe dificuldades para a seleção e não será diferente no próximo jogo”, complementou, afirmando esperar que o Brasil, enfim, conquiste o ouro olímpico em 2016.

Hulk também ainda não esqueceu o tropeço em Londres. “É fato que o México tem sido um adversário difícil para a seleção brasileira e que aquela derrota na Olimpíada ficou entalada. Mas ganhamos deles no ano passado e temos todas as condições de ganhar novamente.”

O capitão Thiago Silva reconhece que a seleção brasileira tem “sofrido” nos jogos contra o rival centro-americano. Avalia o México como uma equipe bem montada e que requer atenção e concentração máximas, embora pondere que o time seja diferente daquele sub-23. Mas vê vantagens em enfrentá-los. “Eles vêm para cima, tentam decidir o jogo, então fica aberto.”

Destaque na partida de estreia brasileira contra a Croácia, Oscar também vê num triunfo contra os mexicanos uma boa oportunidade de diminuir o gosto amargo que ainda resta do tropeço de quase dois anos atrás. “Será dificílimo. Mas estamos treinando para melhorar no próximo jogo.”

Os mexicanos, porém, não perdem a confiança. Nem mesmo a derrota na Copa das Confederações os abala. O atacante Peralta, por exemplo, vive a repetir: “Sabemos atuar contra o Brasil”. Como outros companheiros, diz que o fato de não ter medo dos brasileiros é o grande trunfo mexicano.