Depois de ser o artilheiro, craque e destaque do Paulistão e arrancar na artilharia do Campeonato Brasileiro, Ricardo Oliveira deu uma bola fora neste sábado na Arena da Baixada. O atacante perdeu um pênalti, o segundo seguido, e desperdiçou outra chance clara no empate por 0 a 0 contra o Atlético-PR. Com o resultado, o Santos diminui o ritmo de sua arrancada e segue sem conseguir vencer fora de casa. A sequência agora é de cinco jogos de invencibilidade (três vitórias e dois empates).

Tudo o que o técnico Dorival Junior queria era que o Santos repetisse fora de casa as últimas boas atuações da Vila Belmiro. Nesse sentido, o começo do jogo foi promissor. O time não ficou submerso pela pressão paranaense e conseguiu fazer um jogo equilibrado. A chave foi uma marcação adiantada, na saída de bola, que levava os zagueiros ao erro. Isso aconteceu pelo menos três vezes nos primeiros 15 minutos, e o Santos incomodava.

O Atlético errava na defesa e também na construção das jogadas. Pesaram as cinco alterações feitas pelo técnico Milton Mendes (três por suspensão e duas por problemas físicos). O time fazia um jogo picado, sem continuidade, com muita ligação direta dos zagueiros.

A arapuca santista estava armada. O time esperava um erro de passe no meio para espichar um contra-ataque. Quando erguia a cabeça, Lucas Lima tinha sempre três opções para lançar. A equipe, no entanto, repetia os erros de finalização da vitória sobre o Vasco. Chegava perto da área, mas errava a conclusão.

Em um jogo amarrado, com pouca profundidade, quase sem chances de gol, só as jogadas individuais poderiam salvar a partida. Foi assim aos 25 minutos com a tabelinha entre Marcos Guilherme e Crysan. Jogada simples, das antigas, que quase se transformou no primeiro gol. O chute passou raspando a trave.

Tecnicamente, o jogo não foi bom. Lucas Lima errava na hora de criar, o trio ofensivo do Santos estava mais preocupado em correr atrás dos volantes e o diferencial do Atlético não é exatamente a habilidade individual. O destaque do jogo era o volante Otávio, principal ladrão de bolas do Campeonato Brasileiro e convocado pela seleção olímpica. Um marcador que rouba e toca de lado.

De maneira quase casual, o Santos achou um pênalti quando Kadu tocou a mão na bola no final do primeiro tempo. Ricardo Oliveira bateu colocado, mas fraco, e deu a chance para a defesa de Weverton.

A cobrança não pode ser vista isoladamente. O artilheiro parece ter perdido um pouco de sua eficiência. Essa foi a segunda cobrança seguida desperdiçada (a outra foi contra o Vasco, da mesma maneira). Além disso, o atacante desperdiçou uma chance incrível na pequena área, ao acertar o travessão, aos 6 minutos do segundo tempo.

Três minutos antes, o Atlético teve uma grande chance. Em seu primeiro lance após entrar no lugar de Barrientos, Walter perdeu gol certo de cabeça, após falha de David Braz.

Essas duas chances importantes, uma de cada lado, evidenciam como os sistemas defensivos não eram tão perfeitos como no primeiro tempo e começavam a fazer água.A quantidade de passes errados, por outro lado, manteve-se alta. Aos 35 da etapa final, eram 70 erros, a maioria do Atlético.

Percebendo que o time da casa começava a pressionar, Dorival fez bem ao trocar Gabriel por Marquinhos Gabriel para fechar o lado esquerdo. Era por ali que o Atlético cruzava na área. Mas Vanderlei e Gustavo Henrique conseguiram anular todas. Assim o jogo terminou mesmo empatado em 0 a 0.

Com o resultado, o Santos chegou aos 24 pontos, em 11º lugar no Brasileirão, enquanto o Atlético-PR é o sétimo, com 30.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-PR 0 x 0 SANTOS

SANTOS – Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz e Zeca; Paulo Ricardo, Thiago Maia e Lucas Lima (Leandro); Geuvânio (Neto Berola), Gabriel (M. Gabriel) e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Junior.

ATLÉTICO-PR – Weverton; Eduardo, Vilches, Kadu e Alan Ruschel; Deivid (Jadson), Otávio, Barrientos (Walter) e Marcos Guilherme; Daniel Hernández e Crysan (Douglas Coutinho). Técnico: Milton Mendes.

CARTÕES AMARELOS – Alan Ruschel, Hernandez e Victor Ferraz.

CARTÃO VERMELHO – Alan Ruschel.

ÁRBITRO – Bruno Arley de Araújo (RJ).

RENDA E PÚBLICO – Não disponíveis.

LOCAL – Arena da Baixada, em Curitiba (PR).