Diferente do que sinalizou a Fifa recentemente, o Morumbi está longe de atender as exigências necessárias para sediar a abertura da Copa do Mundo de 2014. Quem garante a informação é Ricardo Teixeira, presidente da CBF. Nesta quarta-feira, Teixeira rebateu os elogios que o secretário-geral da Fifa, Jérome Valcke, fez no último dia 19 ao Morumbi, e criticou duramente o estádio do São Paulo.

“Eles mandaram uma nova proposta, essa proposta novamente não se enquadra no projeto que a Fifa exige”, revelou o presidente da CBF em entrevista à TV Globo, no Rio. “A impressão que dá é que estão se fazendo coisas paliativas”, continuou Teixeira, reforçando que a distância entre o que quer a Fifa e o projeto apresentado pelo Morumbi ainda “está bastante grande”.

“Para a pretensão de abertura de Copa do Mundo, as necessidades que a Fifa exige são muito superiores àquelas que estão sendo propostas”, disse Teixeira, para quem São Paulo tem que correr contra o tempo a fim de apresentar um projeto que agrade a Fifa até o dia 3 de maio. “Faço questão absoluta de dizer que o problema é com o estádio, não é com a cidade”, ressaltou.

“O importante é que o Morumbi se adeque. Não adianta paliativamente você vir com ideias que não se enquadram dentro do projeto que a Fifa tem. A Fifa é muito normatizada, o estádio tem que ter essa característica, tem que ter aquela característica. Ou cumpre a característica ou você não pode fazer a abertura”, esclareceu o mandatário da CBF.

Apesar de desconversar sobre a possibilidade de outro estádio, ainda a ser construído, poder sediar os jogos da Copa em São Paulo, Teixeira acredita que o Morumbi será o palco do Mundial na capital paulista. “Se por um acaso ele não se enquadrar para a abertura, se enquadra para oitavas de final, se enquadra para as outras fases do campeonato.”