“Não dava mais pra viver de rifa ou placa em troca de permuta no mercadinho da esquina. No futebol moderno, o que vale é o marketing empresarial”. A fala do presidente da Federação Gaúcha de Futebol (FGF), Francisco Novelletto (foto) resume uma nova era de fortalecimento do esporte no Rio Grande do Sul.

Empresário no ramo de eletrônicos, e com o olhar de quem já bancou time pequeno, o São José, Novelletto espera fazer uma verdadeira revolução no futebol dos Pampas. Um exemplo disso está nos destinos das viagens realizadas para congressos técnicos do Gauchão. “Já levamos os presidentes dos clubes à Espanha e à Itália. Participamos de reunião com dirigentes de Real Madrid, Barcelona, Milan e Inter de Milão. Descobrimos que nosso futebol havia parado no tempo e resolvemos lutar pra progredir”, conta o presidente, que no próximo ano pretende novas reuniões na Inglaterra. “Dias atrás estávamos na Argentina”, orgulha-se.

A partir dos congressos da FGF, o presidente afirma que até os presidentes mais brigões passaram a ser cordiais. “Acabou o tempo de um xingando o outro, perturba aqui e vai ter troco na volta. Os visitantes agora têm os mesmos direitos dos mandantes. Com os dirigentes se conhecendo melhor, muitos até assistem jogos juntos,”

Segundo Novelletto, a federação chega a negociar dívidas de seus filiados. “Damos uma aliviada nas taxas dos times pequenos e também prestamos assessoria jurídica. Só do São Luiz de Ijuí-RS ajudamos a negociar mais de 100 ações trabalhistas.”

Para ajudar os clubes sem estrutura e fornecedor próprio, a Federação Gaúcha realizou uma parceria com a empresa de telefonia Claro. “Todos os times que disputarem nossas competições irão receber 1.200 peças em artigos esportivos cada um. É um fardamento completo que vai de chuteira, chinelo, roupa de passeio até uniforme de jogo”, afirma o presidente, que promete: “Quero que cada clube da Primeira Divisão, até 2015, esteja recebendo valores acima de R$ 1 milhão em cotas de TV. Essa é nossa programação”, completa.