O meia Juan Roman Riquelme disse nesta terça-feira que doeu muito a derrota histórica da seleção argentina para a Bolívia por 6 a 1. Porém, afirmou acreditar que a equipe dirigida por Diego Maradona consiga se classificar para a próxima Copa do Mundo.

A opinião de Riquelme era muito esperada, já que o jogador desistiu de defender a Argentina por conta de problemas com Maradona. “Foi doloroso para todos, para vocês [jornalistas], também. Somos todos argentinos, queremos que a seleção se saia bem”, disse.

Riquelme foi hostilizado por torcedores durante a vitória sobre a Venezuela no Estádio Monumental del Nuñez. No entanto, depois da derrota para Bolívia, surgiram vozes pedindo o seu retorno.

“Aqui não tem razão nem um nem outro. A seleção vai se sair bem, vai classificar porque tem jogadores incríveis. Não tenho dúvidas de que os garotos vão se sair bem. Não há que se preocupar tanto. Depois, Riquelme não está na seleção, e isso não é questão que um ou outro ter razão. O importante é que a Argentina jogue bem e se classifique”, afirmou.

Quando questionado se estava disposto a rever sua decisão, respondeu que só pensa no Boca e que “já disse que da seleção não quero falar”.

Mais tarde, em entrevista para rádio Del Plata, admitiu que aceitaria conversar com o presidente da Associação de Futebol da Argentina, Julio Grondona, que poderia estar disposto a intermediar o seu retorno para a seleção

“Sempre atendi Julio. Temos uma relação muito boa. Com ele falo o que quiser”, afirmou Riquelme, que se negou a atender telefonemas de Maradona após ter suas atuações pelo Boca Juniors criticadas pelo astro argentino.