Saitama, Japão (AE) – Desta vez, ele não foi escolhido o nome do jogo. E nem conseguiu marcar gol, como havia feito em todas as partidas anteriores. Mesmo assim, Rivaldo era a expressão do contentamento após a vitória por 1 a 0 sobre a Turquia, após mais uma boa atuação com a seleção brasileira na Copa do Mundo. Nem o gol de Ronaldo conseguiu diminuir o brilho do jogador pernambucano, que se destacou não apenas pelas jogadas de ataque e chutes a gol.

“Estou muito contente com a forma como eu joguei. Arrisquei muito de fora da área, mas não consegui marcar. Mas não é só atacar, tem que chutar, que segurar, que buscar falta, que segurar o jogo”, disse, exaltando uma de suas características que em outras épocas já foi bastante criticada. “É uma coisa normal minha: eu procuro segurar o jogo quando a gente está ganhando. Tem que ganhar tempo e usar a inteligência”.

Rivaldo atribuiu a falta de gols nessa partida à boa atuação do goleiro Rustu. Para ele, ao contrário do que aconteceu no jogo de estréia, não houve falhas nas finalizações. “Não foi azar, tem que dar mérito ao goleiro deles, que é muito bom.”

O craque do Barcelona lembra que as dificuldades para este jogo já eram esperadas e que por isso não surpreende a vitória com apenas um gol. “É normal por ser uma semifinal. Às vezes não tem goleada, mas o importante é que a gente criou (oportunidades) e estamos contentes com o resultado porque estamos na final”.

Mas diz, que apesar da pressão turca, considera que o jogo mais difícil para o Brasil nessa Copa foi contra a Bélgica, nas oitavas-de-final. “A pressão de ficar fora da final e disputar terceiro lugar deixa o jogo difícil, mas acho que a Bélgica criou muito mais que a Turquia.”

Para o jogo contra a Alemanha, Rivaldo está confiante. Nem o fato de a defesa alemã ter tomado apenas um gol em toda a competição preocupa o jogador. “Todo mundo também falava da Inglaterra, dos zagueiros da Inglaterra e a gente conseguiu fazer dois gols neles. Respeitamos a campanha que os alemães estão fazendo no Mundial, mas vamos trabalhar para conseguir uma grande vitória e o título”. Para isso, segundo Rivaldo, não será preciso nem um trabalho especial. “É só manter a tranqüilidade. São seis jogos e seis vitórias e vamos jogar para vencer, como sempre jogamos”.

A confiança do grupo na conquista do título, diz Rivaldo é maior que a de 98, quando a equipe perdeu a final para a França. “O grupo está legal, todo mundo contente, falando que vamos ser campeão”. O motivo: a campanha invicta e a força adquirida com a superação depois da problemática campanha nas eliminatórias.

O melhor da Copa

As boas atuações e a possibilidade de ser escolhido o melhor jogador da Copa dão uma motivação a mais ao jogador, ainda que ele afirme que isso não importa, que o importante é ajudar o Brasil a ser campeão. “Não estou aqui para calar ninguém, apenas para jogar futebol. Fico orgulhoso pelo meu trabalho. Foi uma dificuldade muito grande, por estar machucado, recebi muitas críticas e muitas pessoas achavam que eu não vinha para a Copa.”