O ressurgimento do Paraná Clube na Série B passa diretamente pela mudança de atitude do time. Em sua chegada, o técnico Roberto Cavalo diagnosticou de bate-pronto a necessidade de uma “pegada” maior.

Esse tem sido o segredo para a sequência invicta de quatro jogos do treinador. Porém, frente ao Coritiba, amanhã, além dessa postura, o Tricolor terá que ser perfeito na marcação.

“Só um posicionamento correto não basta. Temos que tentar anular as individualidades do Coritiba”, avisou Roberto Cavalo, procupado com Rafinha, Leonardo e companhia. “Se me perguntarem a melhor forma de parar o Rafinha, vou dizer que é com um pedaço de pau”, brincou Cavalo, que no ano passado comandou o meia-atacante no Paraná Clube. “Trata-se de um jogador diferenciado. Vacilar, com ele, é fatal.”

Cavalo não citou nomes, mas antecipou que “alguns” jogadores do adversário terão marcação individual. “Já tivemos um comportamento melhor nessas três últimas partidas. Mas ainda não está bom”, comentou o técnico, antecipando a volta de Luiz Camargo ao meio-campo.

O volante ocupa a vaga de Chicão, que está suspenso, e vai formar com Edimar a dupla de proteção à zaga. “São dois bons marcadores e não posso abrir mão de um meio-campo coeso e pegador”, disse.

Na prática, Cavalo vai tentar encurtar ao máximo os espaços do Coritiba, apostando na velocidade do contragolpe para pôr fim ao jejum de 14 anos sem vitórias no Couto Pereira.

“Fiquei sabendo que o Paraná não vence lá desde 1996. É muita coisa. Vamos tentar mudar isso, respeitando a qualidade do Coritiba, mas sabendo que também vivemos um bom momento”, afirmou o técnico paranista.

A única dúvida está no ataque. William, recuperado da forte gripe que o tirou do jogo frente ao Náutico, voltou aos treinos ontem. “Vamos esperar a reação dele aos trabalhos. Num jogo como esse, preciso de todos a 120%. Só 100% não basta”, ponderou Cavalo.

As outras opções seriam Lima, que jogou em Recife, Kelvin ou até mesmo Somália, que na última jornada fez o seu primeiro gol com a camisa tricolor. “Em clássico, não tem favorito. Mas o Coritiba joga em casa e, na minha avaliação, já subiu para a Primeira Divisão”, disparou Cavalo. Este será o primeiro “derby” paranaense na carreira do treinador, que já dirigiu equipes em clássicos por Santa Catarina, Pará, Distrito Federal e Pernambuco.