Foto: Tom Dib/Futura Press

Rodrigão está pronto para estrear no Atlético.

Ele chegou na semana passada e já deverá ser a principal novidade do Atlético para a partida de amanhã contra o Nacional. Apesar de não jogar uma partida oficial desde setembro, o atacante Rodrigão vem treinando forte com o objetivo de assumir a camisa 9 do Rubro-Negro e não largar mais. Se depender do treinamento de ontem no CT do Caju, ele tem posição garantida, mas a confirmação só sai após os trabalhos de hoje. A partida da terceira rodada do Campeonato Paranaense está programada para às 20h, na Kyocera Arena.

?Estou preparado. Venho treinando forte a parte física, logicamente que ainda falta alguma coisa, e também a parte técnica, mas se o professor necessitar eu estarei à disposição?, aponta Rodrigão, de 27 anos. Mesmo já tendo passado por várias equipes, ele diz que a ansiedade sempre aparece. ?Vamos tentar transformar essa ansiedade em vontade e tentar ajudar o grupo a conseguir a vitória?, destaca o atacante, que chegou há pouco tempo na Baixada depois de deixar o Santo André.

Além da parte física e técnica, o que pode atrapalhar é o desentrosamento com os companheiros. ?Fizemos o primeiro coletivo, eu tive apenas dois ou três trabalhos com bola e acho que o entrosamento vai vir somente durante os treinamentos e durante as partidas?, analisa. De qualquer forma, ele acredita que ainda assim é possível fazer um bom jogo contra o Nacional. ?Espero não levar muito tempo para isso até porque já conheço alguns jogadores por ter jogado a favor e contra, são jogadores de muita qualidade e não haverá problema algum?, pondera.

O que também anima Rodrigão para essa estréia é a possibilidade de voltar a vestir a camisa de mais um time grande. ?Era esse o meu pensamento e meu desejo. Com o desejo realizado, agora é tentar levar a vontade e a dedicação para dentro de campo e ajudar a equipe do Atlético?, finaliza o atacante. No trabalho de ontem, ele participou de 45 minutos de um jogo-treino contra o Marcílio Dias, de Santa Catarina.

O placar final foi 2 a 2, mas o técnico interino Vinícius Eutrópio ficou mais satisfeito com a possibilidade de contar com o volante Erandir, o meia Ferreira e o atacante Dênis Marques. No caso do colombiano ainda falta a documentação de sua renovação de contrato. Existe também a possibilidade de Adriano voltar a jogar. Ele foi relacionado para a partida, vai concentrar, mas ainda não fez nenhum treinamento com bola. O provável time para amanhã deverá ter Tiago Cardoso; Jancarlos, Danilo, Paulo André e Michel Bastos; Alan Bahia, Erandir, Cristian (Rodriguinho) e Ferreira; Dênis Marques e Rodrigão.


Gabiru relacionado pra pegar o Nacional

O meia Adriano foi tão pego de surpresa quanto todos no CT do Caju. Mesmo sem ter feito um trabalho com bola, o jogador está convocado para a partida de amanhã contra o Nacional, de Rolândia. Profissional como é, acatou a ordem e já começa a imaginar como irá ser recebido pela torcida quando entrar no gramado novamente com a camisa rubro-negra. Depois de ter voltado do Cruzeiro, ele vive o impasse de continuar no CT do Caju ou ser negociado com outro clube.

?Eu tenho um respeito muito grande pela torcida do Atlético, mas não sei como vai ser e vamos ver o que pode acontecer?, disse, com a simplicidade de sempre. Na verdade, ele está na dúvida se vai receber vaias ou aplausos, já que marcou um gol contra o Furacão ano passado, apesar de não ter comemorado. ?Acho que eles não vão vaiar não. A torcida tem um carinho muito grande por mim, espero fazer meu papel e conseguir um resultado muito bom para a torcida do Atlético?, ponderou.

Apesar da surpresa, ele demonstrou felicidade em poder voltar a jogar. ?Estou preparado. Se o treinador me colocar para jogar ou entrar no segundo tempo entrarei tranqüilo para fazermos uma excelente partida na Baixada?, analisou. De qualquer forma, ele sabe que seu futuro ainda não está definido. ?O meu procurador está conversando, mas eu não vou comentar isso. Estou muito feliz de poder jogar e para mim é ótimo estar jogando aqui no Atlético?, revelou.

Depois de ter sido sondado por Goiás e Internacional para a disputa da Copa Libertadores e não ter ido para nenhum deles, a diretoria deixou o representante do atleta livre para negociar com alguma equipe do exterior.

Eta deflagra guerra contra Massa Sports

A confraria Esquadrão da Torcida Atleticana (ETA) deflagra amanhã a sua ?guerra santa? contra a Massa Sports, responsável pela carreira de jogadores como Dagoberto e Pedro Henrique. O grupo de torcedores entende que os atletas do Atlético estão sendo orientados a fazerem ?corpo-mole? até que o contrato acabe e eles possam ir embora sem o clube receber nada. Por sua vez, a empresa de Ratinho e seu filho Gabriel prefere não se pronunciar enquanto não houver nenhum prejuízo aos negócios.

?A Massa Sports vem influenciando o atacante Dagoberto a confrontar-se com a disciplina exigida pela comissão técnica do clube?, diz o texto do informe especial do ETA. A matéria é assinada por Doático Santos, líder da confraria, e a publicação é de responsabilidade da jornalista Léa Okseanberg. De acordo com o informe, a diretoria do Rubro-Negro estaria empenhada em renovar o contrato do jogador pelo tempo em que ele permaneceu se recuperando, mas a Massa estaria impedindo isso.

O ETA chega a conclamar os torcedores do clube a uma ?guerra santa? contra a Massa. Além de por em xeque a idoneidade da empresa, a torcida é conclamada a ?denunciar? o negócio do apresentador Ratinho na Receita Federal e no Ministério Público. Os textos afirmam também que jogadores como Adriano e Schumaker estariam na mira da Massa. Também foi feita uma carta aberta a Dagoberto para que ele permaneça no clube e participe de mais conquistas para o Furacão.

Junto ao jornal, encaminhado ontem à redação, chegou uma carta de Gabriel Massa encaminhada ao diretor de futebol Alberto Maculan abrindo negociação para renovação de contrato do jogador Pedro Hen-rique. Por ela, os empresários pedem 50% dos direitos federativos, R$ 100 mil antecipados e salário de R$ 5 mil no primeiro ano, R$ 8 mil no segundo ano e R$ 10 mil na terceira temporada de contrato. No momento, o atleta ganha cerca de R$ 600,00. ?Infelizmente, eles podem fazer isso. É a Lei Pelé?, lamentou Maculan.

Segundo ele, a renovação será feita pelo presidente do conselho deliberativo Mário Celso Petraglia, que está viajando. Mesmo assim, o dirigente considera absurdas as exigências. ?A ganância dos empresários é uma coisa de louco. Eles iludem os garotos e os familiares, mandam eles para a Europa e depois eles voltam com a carreira arrebentada. Esse menino quer jogar no Atlético, mas eles querem tirá-lo daqui ao invés dele ter um fluxo normal de carreira, jogar no Atlético e depois ser negociado como Kléberson, Jádson, Fernandinho e tantos outros?, analisou.

Já a Massa Sports prefere não comentar o assunto. ?A posição deles, Gabriel Massa e Naor Malaquias, é de continuar trabalhando porque isso não irá influenciar no trabalho deles?, divulgou a assessoria de imprensa. Essa posição só deverá ser alterada caso algo de mais grave aconteça, o que deve acontecer a partir do momento da distribuição do jornal da confraria.