O atletismo brasileiro teve um dia produtivo neste sábado, em Eugene (EUA), durante a disputa da etapa local da Diamond League. Keila Costa, que já estava classificada para a Olimpíada no salto em distância, passou o índice para os Jogos do Rio-2016 também no salto triplo, mas a marca não será ratificada porque o vento estava acima do permitido. Já Rosângela Santos bateu seu recorde pessoal nos 100m pela quarta vez no ano.

Na primeira prova do dia na Diamond League, Keila ficou no quarto lugar do salto triplo, com 14,21m. Passou por um centímetro o índice olímpico e mundial, mas o vento de 2,1 metros por segundo, acima do limite de 2,0 m/s, impede a homologação da marca. A prova foi vencida por Caterine Ibargüen, com expressivos 15,18m, segundo melhor salto da carreira da colombiana que é a quinta melhor da história.

Nos 100 metros, a bateria das brasileiras não valia para a Diamond League, mas foi a mais forte da temporada, com direito a English Gardner pulando para a liderança do ranking mundial, com 10s84.

Treinando em Miami, Rosângela Santos voltou a baixar seu recorde pessoal, com 11s04, aproximando-se do recorde sul-americano, de Ana Cláudia Lemos, que é de 11s01. Ana Cláudia, aliás, foi apenas a sétima colocada na bateria, com 11s30. Ambas as brasileiras ratificaram índice para Mundial e Olimpíada.

No salto com vara, Augusto Dutra está classificado para ir a Pequim, mas ainda não tem índice olímpico. Ele saltou em Eugene, fez três tentativas de 5,40m, errou todas e terminou sem classificação final. A prova foi vencida pelo francês Renaud Lavillenie, com incríveis 6,05m, exatamente na volta dele após lesão grave. Agora segundo melhor de todos os tempos, ele tentou o recorde mundial de Serguei Bubka, mas não passou de 6,16m.

INNSBRUCK – Na Áustria, Fabiana Murer venceu o Challenger de Innsbruck, com 4,60m, marca abaixo dos 4,65m que lhe deram a vitória no Troféu Brasil e o índice olímpico, há duas semanas.

Mauro Vinicius da Silva, o Duda, fez sua quarta competição em 13 dias, terminou com o bronze no salto em distância, com 7,80m e está fora dos Jogos Pan-Americanos. Bicampeão mundial indoor, ele tem 8,03m como melhor marca para Toronto (Canadá) e é o quarto do ranking brasileiro, que fecha no domingo. Só os dois primeiros (Higor Alves e Alexsandro Melo) serão convocados.

O Brasil ainda ganhou mais uma medalha em Innsbruck, com Eliane Martins, também no salto em distância. Com 6,36m, ela terminou em terceiro e não alcançou o índice olímpico de 6,70m.

JUVENIS – Na sexta-feira à noite, em Cuenca (Equador), Vitória Rosa correu a semifinal do Sul-Americano Juvenil nos 100m em 11s36 e ficou a quatro centésimos do índice olímpico e a três do índice para o Mundial de Pequim (China). A marca é a sétima melhor da história do País na prova e novo recorde brasileiro juvenil, superando os 11s39 de Franciela Krasucki há 10 anos.

Já classificada para as duas competições nos 200m, a garota não pôde correr a final em Cuenca, neste sábado, porque disputou a semi apenas em observação. Mesmo assim, ela entra no revezamento 4x100m do Brasil, uma vez que, da atual geração, só Ana Cláudia, Rosângela e Franciela tem tempos melhores que os dela na carreira.

Neste sábado, Vitor Hugo dos Santos não conseguiu melhorar o recorde brasileiro juvenil no masculino (10s22), feito no Troféu Brasil, mas venceu o Sul-Americano com 10s29.