Poucos pilotos na Fórmula 1 conhecem Nelsinho Piquet tão bem quanto Nico Rosberg. As carreiras de ambos sempre estiveram próximas, desde os campeonatos menores até os primeiros testes na Fórmula 1. Mas, mesmo tão próximo do brasileiro, o alemão da Williams disse não entender por que o antigo rival faz uma temporada de estréia abaixo da crítica.

“Ele é um bom piloto, mas tem esse ano de estréia tem sido difícil, não sei exatamente a razão. Nas últimas corridas ele melhorou, mas o carro também ficou melhor”, afirmou Rosberg, nesta terça-feira (28), durante um evento em São Paulo.

Nelsinho Piquet ocupa o 12º lugar no Mundial de Pilotos, com 19 pontos conquistados e um pódio – foi segundo colocado na Alemanha. O companheiro de equipe dele na Renault, Fernando Alonso, é o sexto, com 53 pontos.

Rosberg, por sua vez, somou apenas 17 pontos na temporada, mas já foi ao pódio duas vezes. A seu favor, o piloto da Williams tem o fato de estar em uma equipe considerada inferior – seu companheiro, Kazuki Nakajima, somou apenas nove pontos.

Filho de Keke Rosberg, campeão da categoria em 1982, Nico disse que durante toda a sua carreira viveu uma situação semelhante à de Nelsinho, pelo peso do sobrenome que carrega. Os dois jovens sempre foram badalados na categoria de base, e chegaram a testar juntos pela Williams, equipe que deu o único título de Keke e o terceiro de Nelson Piquet, em 1987.

De acordo com Nico, o fato de ser filho de um campeão mundial ajudou tanto na sua carreira quanto na de Nelsinho. “É sempre bom na hora de conseguir patrocínios, porque é óbvio que a visibilidade e o interesse é maior”, disse, antes de fazer uma ressalva. “Na pista, durante a corrida, não faz diferença.”