Ontem foi dia de a equipe titular do Atlético iniciar a preparação para o jogo de domingo, com o Figueirense, pela quinta rodada. O jogo é deciso ara o Rubro-Negro acabar de vez com a má fase, que ainda não permitiu nenhuma vitória no Campeonato Brasileiro.

Mesmo enfrentando o primeiro time dos quatro que vieram da Série B, os jogadores encaram a partida em um mesmo nível das que foram jogadas até agora, contra Atlético-MG, Grêmio, Palmeiras e Flamengo.

Menosprezar a força de qualquer adversário está fora de cogitação, mesmo que isso signifique dar mais confiança ao elenco. Mas para o lateral-direito Rômulo, mesmo que todo cuidado seja necessário, encarar um time de tradição maior tem um peso diferente

Segundo o jogador, um dos diferenciais está no comportamento da arbitragem. “A gente não pensa assim e se pensasse não falaria para não dar motivação extra para eles. Claro que jogar com equipes tradicionais é mais difícil. A arbitragem, às vezes, puxa para o lado deles. Isso é normal no futebol”, disse Rômuloo, que retorna à equipe titular depois de cumprir suspensão contra o Flamengo.

Adilson também não quer saber de pensamento diferente só porque o Figueirense voltou este ano para a elite. Todo cuidado é pouco, ainda mais com a situação nada favorável que o Furacão está encarando.

“Acha que é fácil agora? Não tem diferença, é a mesma coisa, o Brasileiro é difícil. É jogo complicado, independente[mente] se é Figueirense, Palmeiras, Corinthians. Vamos para lá tentar vencer, sabendo das dificuldades do jogo”, disse o treinador, que já comandou a equipe catarinense entre 2005 e 2006, livrando o clube do rebaixamento.