Confronto direto e decisivo é o que vai acontecer hoje à tarde no campo 3 do Parque Peladeiro da Prefeitura Municipal de Curitiba, ocasião em que, a partir de logo mais às 15h30, Sindaspp e Vila Sofia vão à campo, novamente para, sem deleios e meleios, decidir, de vez, o título máximo geral do 34.º Campeonato Paranaense de Futebol de Pelada, o “Peladão/Tribuna de Paraná”.

Chegou – como reza e ditado popular – “a hora da onça beber água” – num confronto em que não haverá meio tempo, contemporização ou corpo mole. A coisa é pra valer mesmo, definitiva, sem caminho de volta.

Quem vencer, seja no tempo regulamentar, na prorrogação ou em cobrança de penalidades máximas, levará o galardão maior da temporada de 2003, inclusive todos os grandes prêmios oferecidos pelo campeonato. É o que se paga, sempre, ao campeão.

Ao que perder restará o consolo do vice-campeonato – sem dúvida alguma uma grande honra e que deve ser também efusivamente comemorada.

Oxalá, em razão de ser uma partida onde tudo está em jogo, atletas e dirigentes façam um jogo de alto coturno, com disciplina total, com o vencedor aplaudindo o leal adversário, e o perdedor, se curvando, com dignidade, à superioridade ou à maior sorte do ganhador. Que tudo seja festa, alegria a consagrar um campeonato extraordinário que em 2003, realizou, somando a partida desta tarde, 723 jogos, em que foram marcados 4.041 gols, com média de 5,59 tentos por partida.

Não há favoritos

Os 33 anos já realizados de “Peladão/Tribuna” nos deixa uma grande lição. Os campeões gerais saíram tanto da Chave de Vencedores como de Perdedores do “chavão” final de adultos.

Hoje, no confronto final e decisivo, um verdadeiro clássico, dois gigantes em luta: o Vila Sofia, que soma através dos tempos oito títulos máximos, é pois octacampeão, com as conquistas formidáveis de 1980, 84, 92, 95, 96, 97, 98 e 99, enquanto que o Sindaspp, com participação bem mais recente que o Vila, já soma três títulos máximos gerais consecutivos: 2000, 01 e 02.

Favorito? Difícil e temeroso qualquer prognóstico, haja vista que o Vila, semana passada, ao ganhar do Sindaspp em cobrança de penalidades máximas, após empate de 1×1 no tempo regulamentar, desfez a vantagem que possuía o Sindaspp, e hoje jogará de igual para igual.

Significa isto dizer que, quem ganhar – seja qual for o marcador – no tempo regulamentar, será proclamado campeão. contudo, se o tempo regulamentar terminar empatado, haverá uma prorrogação de 30 minutos, com dois tempos de 15 minutos cada um, mas com “morte súbita”, quem primeiro marcar na prorrogação será proclamado campeão; se o empate persistir após a prorrogação, o título máximo geral de 2003 será, então, decidido em cobrança de penalidades máximas.

Árbitros

O trio de arbitragens para o clássico desta tarde será definido somente momentos antes da partida. Vacyl Stuparik, presidente da Associação de Árbitros de Futebol de Pelada do Paraná, que tem à sua responsabilidade a escala dos mediadores da partida de logo mais, informou que todos os árbitros estão na lista e deverão comparecer no Parque Peladeiro o mais tardar até às 14h45.

Equipes escaladas

Apenas o Vila Sofia está com uma dúvida quanto a escala do time para o confronto desta tarde. O técnico Mire ainda não sabe se poderá contar com o jogador Cascavel, que viajou para o interior (padrinho de casamento) e não sabe se consegue retornar ainda para participar da partida. Mas, mesmo assim, o técnico Miro está com o time que deverá iniciar o confronto frente ao Sindaspp com esta formação: Gil; Aurélio, Paulo César e Betinho; Eduardo e Cascavel (Nene); Marcelo e Vinícius. Banco: Erivelto, Paulinho, Leomar, Rodrigo e Osvaldo. Já o técnico e presidente do Sindaspp não possuiu nenhuma dúvida e vai contar com sua força máxima: Odair; Hector, Alex e Salário; Ede Carlos e Carlinhos; Cigano e Cenoura. Banco: Edson Luiz, Juninho, Catatau, Júlio e Eliezer.

Rádio Colombo

O programa “Camisa 10” da Rádio Colombo – AM 1020 – vai trabalhar com força total no clássico desta tarde, tendo escalado nada menos que oito profissionais para a cobertura do clássico: narração – Walter Colombo; comentários – Dorival Rodrigues; reportagens – Fernando Luiz, Antônio Carlos Ribas o “Fumaça”, e Daniel Reis; plantão – Carlos Almeida, Vinícius Scorsin e Felipe Martynetz.

Cobertura de TV (gravação) -Vacyl Stuparik. Cobertura fotográfica – Irineu Horbatiuk.