Com as contusões de Guiñazu e Tinga, o também volante Sandro Silva ganhou espaço no time titular do Internacional. O jogador sabe que vive um bom momento e espera ter condições de se manter entre os 11 escolhidos por Dorival Júnior mesmo quando os dois ídolos da torcida retornarem.

“Não quero ser hipócrita. O Tinga e o Guiñazu têm uma história no Clube. São ídolos e pessoas que admiro dentro e fora do campo. Mas acho que venho aproveitando bem a oportunidade que recebi. Tenho muita garra e vontade de jogar”, garante Sandro Silva.

Ele acredita que com muito trabalho pode seguir como titular. “Sei que não tenho status para ser ídolo, mas vou dar o meu melhor. Nenhum jogador fica satisfeito com a reserva, mas acho que cada jogador tem de respeitar o momento do outro, assim como eu respeitei no passado. Nós temos um grupo forte. O Tinga, o Guiñazu, o Elton e até o próprio Josimar, que iniciou o ano jogando, todos vamos ter oportunidade”, comenta.

Diante da lesão de Nei, a tendência era que Sandro Silva fosse para a lateral direita, posição na qual já atuou diversas vezes na carreira. Mas Dorival preferiu deixá-lo no meio-campo e deslocar Elton para a ala. Sandro Silva diz que prefere assim.

“Sem ritmo de jogo ali na função, acaba prejudicando. Jogando de volante as coisas ficam mais fáceis. Vim para ser volante, o Inter tentava me contratar desde 2008. Eu tinha que corresponder na função”, afirmou o jogador, contratado no meio do ano passado.