São Paulo – O pequeno público – cerca de 19 mil pagantes – que foi ao Pacaembu, ontem, viu tudo o que se esperava de um clássico decisivo entre Palmeiras e Santos: gols, lances emocionantes e interessantes duelos táticos. A vitória por 2 a 1 garantiu ao time de Vanderlei Luxemburgo a liderança do Brasileiro, ao lado do Atlético-PR – ambos têm 55 pontos. A equipe de Estevam Soares segue no 7.º lugar, com 48 pontos, e completou cinco jogos sem vencer, o que pode aumentar a pressão e as cobranças sobre o treinador.

Na primeira etapa, o Santos tomou a iniciativa e o Palmeiras se limitou à marcação. Assim, o time de Vanderlei Luxemburgo criou boas chances. Logo aos 3 minutos, Deivid bateu de fora da área, a bola desviou na defesa, e Robinho finalizou com defeito. Léo também teve boa oportunidade, quando desceu pela esquerda, mas chutou para fora.

Porém, a armação tática do Palmeiras funcionou bem, tanto que Robinho, bem marcado por Marcinho, não fez nenhuma jogada individual ao longo da partida e o time chegou com perigo, especialmente nas bolas paradas.

Em cobranças de escanteio, Correia ameaçou Mauro. Na primeira, bateu fechado e o santista salvou o gol olímpico. Em outra batida do palmeirense, a bola chegou a Gabriel, que perdeu gol incrível, ao cabecear mal, de frente para o gol. O zagueiro teve nova chance, na falta batida por Correia: a bola acertou o travessão, bateu na linha, mas não entrou.

O time do Palestra Itália era melhor, mas bastaram cinco minutos para o Santos abrir vantagem, em falhas coletivas da defesa. Aos 40, Marcinho e Nem foram driblados por Zé Elias, que tocou para Ricardinho. O meia rolou para Robinho, que deixou a bola passar até Deivid. Gabriel chegou atrasado na marcação do atacante, que finalizou de primeira, no canto de Sérgio. Em seguida, Fabinho avançou, ganhou a dividida com Lúcio e tocou para Elano. Livre de marcação, o santista não teve trabalho para concluir e fazer 2 a 0.

No segundo tempo, as equipes deixaram a marcação de lado e se arriscaram ao ataque. O jogo ficou aberto e logo no início cada time teve uma chance de gol. Aos 2 minutos, Osmar pegou mal a sobra da defesa e bateu para fora. Zé Elias arriscou de fora da área e só não fez o terceiro porque Sérgio se esticou e pôs a escanteio.

Demorou um pouco, mas Estevam aumentou o poder ofensivo do Palmeiras, com a entrada do garoto Ricardinho no lugar de Elson. A alteração deu resultado: Lúcio avançou pela esquerda, se livrou de dois marcadores e tocou para Osmar. André Luís, mal posicionado, não impediu a finalização do atacante, que diminuiu o placar e marcou seu sétimo gol no campeonato.

Nos últimos minutos, depois da expulsão de Zé Elias, o Palmeiras foi todo para frente, em busca do empate que, por sinal, seria merecido. Mas o Santos, bem fechado, conseguiu segurar o marcador, que mantém o time na ponta da classificação.

Ficha técnica:Gols: Deivid aos 40, Elano aos 45 do 1.º tempo. Osmar aos 36 do segundo.
Cartão vermelho: Zé Elias.
Renda: R$ 248.031,00. Público: 19.109 pagantes.

Palmeiras: Sérgio; Baiano (Adãozinho), Nen, Gabriel e Lúcio; Marcinho, Correia (Júlio César), Magrão, Elson (Ricardinho) e Diego Souza; Osmar. Técnico: Estevam Soares.

Santos: Mauro; Bóvio (Lello), Domingos, André Luís e Léo; Fabinho, Zé Elias, Elano e Ricardinho; Robinho (Ávalos) e Deivid (Basílio). Técnico: Vanderlei Luxemburgo