Em nota divulgada nesta segunda-feira, o São Paulo anunciou sua saída da diretoria do Clube dos 13. A decisão de deixar a vice-presidência da entidade confirma a mudança de postura do clube, que já vinha se afastando nos bastidores para poder negociar individualmente com a Rede Globo.

“Honrado com a oportunidade e com a certeza de que o compromisso para o qual fomos eleitos já foi devidamente atingido, o São Paulo comunica formalmente sua renúncia ao cargo de vice-presidente desta entidade, informando que continuará colaborando integralmente com a valorização do futebol brasileiro, agora apenas na condição de associado”, informou o clube, em nota assinada pelo presidente Juvenal Juvêncio.

Segundo o dirigente, o São Paulo cumpriu sua missão no Clube dos 13 ao contribuir para o debate sobre a valorização dos direitos de televisão no futebol brasileiro. “Realizamos diversos estudos e consultas públicas junto ao mercado, visando inserir a negociação dos direitos de televisão do futebol brasileiro em um novo patamar, o que foi realizado, apesar de lamentáveis percalços, sempre com transparência, profissionalismo e respeito às instituições públicas e aos compromissos assumidos”, registrou o clube na nota.

Com a saída da diretoria, o São Paulo confirma a expectativa de que acertará um acordo individual com a Globo pelos direitos de transmissão dos jogos do time para os próximos quatro anos, como fizeram outros grandes clubes do País. Na nota, os dirigentes ratificaram a intenção de negociar individualmente, mas não deram detalhes sobre o eventual acerto.

“Não podemos fechar os olhos à realidade de que, atualmente, há manifesto dissenso entre o que foi idealizado em abril de 2010 e a atual vontade dos associados. Por isso, acreditamos que, neste momento, nossa maior contribuição à história dessa entidade é deixar que os associados tenham a possibilidade de definir livremente o que desejam doravante”, divulgou o clube, se referindo à eleição que definiu a atual diretoria, no ano passado.

Esta nova postura marca o fim de uma das maiores resistências ao acerto individual dos clubes com a Globo. Inicialmente, o São Paulo defendia a negociação de um acordo coletivo, encabeçado pelo Clube dos 13, com as redes de televisão.