Depois de duas derrotas seguidas e vexatórias em casa, o São Paulo enfrenta o Flamengo, neste domingo, às 16 horas, no estádio do Maracanã, no Rio, pela 20.ª rodada do Campeonato Brasileiro, com o objetivo de se reconstruir. Sem o goleiro Rogério Ceni e o centroavante Luis Fabiano, pilares da equipe, mas que estão contundidos, o time aposta em uma nova liderança, improvável até rodadas atrás: Alexandre Pato.

A ascendência do atacante começa a aparecer dentro e fora de campo. Artilheiro do time na temporada com 20 gols, a melhor marca de sua carreira, Alexandre Pato se tornou o atacante mais efetivo da era Juan Carlos Osorio. “No ano passado, com o Muricy, eu já vinha bem, fazendo bons jogos. O Osorio deu uma continuidade e me colocou do jeito que me sinto bem”, afirmou.

Na partida contra o Flamengo, ele deverá ser deslocado fora dessa sua zona de conforto, o lado esquerdo do ataque, e ser centroavante. Como Luis Fabiano deve ficar fora por quase um mês por causa uma lesão no joelho esquerdo, o técnico colombiano pode escalar Alexandre Pato como camisa 9. O colombiano Guisao e o argentino Centurión, as outras opções, são jogadores para os lados do campo. “Na seleção, fui centroavante, não tem problema. Vai depender do que o professor Osorio pedir”, disse o atacante.

Fora de campo, Alexandre Pato é o jogador mais próximo do técnico colombiano. Na última sexta-feira, ele pediu para participar da entrevista coletiva, defendeu o rodízio de atletas e disse seria uma besteira se o São Paulo perdesse Osorio – a Federação Mexicana de Futebol (FMF) fez uma sondagem para contratá-lo para a seleção. Mais contundente que o habitual, criticou a divisão da torcida e até cobrou maior aproximação da diretoria. Virou um porta-voz.

Sem Paulo Henrique Ganso, suspenso, Osorio pode apostar em Wesley e Michel Bastos na armação. Pode repetir Carlinhos como ponta e Thiago Mendes como volante – ele gostou dessas experiências contra o Ceará, na última quinta-feira, pela Copa do Brasil.