A volta de Muricy Ramalho parece mesmo ter mexido com os ânimos dos jogadores do São Paulo. Nesta quinta-feira, a equipe mostrou um futebol vibrante, de bastante entrega, e voltou a vencer no Campeonato Brasileiro. Com a ajuda da torcida, que fez sua parte no Morumbi, derrotou a Ponte Preta por 1 a 0 sem maiores sustos, pela 20.ª rodada. Pior para os campineiros, que chegaram à sétima derrota consecutiva na competição.

O resultado não tirou o São Paulo da zona de rebaixamento, já que a equipe está na 18.ª posição, com 21 pontos, mas renovou o ânimo dos torcedores. Na próxima rodada, o duelo será diante do Vasco, domingo, em São Januário. Já a Ponte Preta parece cada vez mais fadada à queda para a Série B, na penúltima posição, com 15 pontos, e no domingo enfrentará o Flamengo no Moisés Lucarelli.

Logo em sua reestreia, Muricy Ramalho decidiu mexer em tudo. O esquema tático passou do 4-4-2 para o 3-5-2. Na escalação, Caramelo e Welliton ganharam espaço entre os titulares, enquanto Jadson ficou no banco e Osvaldo sequer apareceu entre os reservas. Vale lembrar que eles chegaram a ser convocados para a seleção brasileira nesse ano. Denilson, recuperado de lesão, ficou com a vaga de Wellington, enquanto Maicon ganhou a posição de Fabrício.

E a equipe correspondeu. Se não foi brilhante e em diversos momentos exibiu certa lentidão na criação das jogadas, o São Paulo se mostrou sufocante, pressionou a Ponte Preta e não deixou o adversário jogar. No primeiro tempo, a equipe do Morumbi criou bastante, mas após o gol de Luis Fabiano, no início da etapa final, relaxou e correu riscos desnecessários.

O JOGO – O primeiro bom momento da partida, no entanto, foi da Ponte Preta. Aos seis minutos, Artur arrancou da intermediária e foi derrubado por Rodrigo Caio. Fellipe Bastos encheu o pé na cobrança e levou perigo. O São Paulo respondeu dois minutos depois, quando Welliton arrancou em contra-ataque e encheu o pé ao entrar na área. Roberto espalmou, mas foi o suficiente para acender a torcida.

O São Paulo tinha dificuldade para chegar, em parte pela boa marcação da Ponte Preta e em parte pelo desentrosamento no novo esquema. Com isso, a equipe voltou a criar apenas na bola parada. Aos 18 minutos, Maicon cobrou escanteio na área, Antonio Carlos subiu bem e cabeceou para o chão, exigindo boa defesa de Roberto. O goleiro ponte-pretano voltou a aparecer aos 21, quando espalmou chute forte de Luis Fabiano após cruzamento de Caramelo.

O time da casa começava a se soltar, mas perdia chances consecutivas. Aos 24 minutos, a bola caiu dentro da área no pé de Welliton, que encheu o pé outra vez, mas isolou. Quatro minutos depois, a equipe construiu uma boa jogada. Reinaldo achou Ganso, que tocou para Luis Fabiano dentro da área. O atacante bateu cruzado, mas Roberto voltou a aparecer bem.

A Ponte Preta parecia querer apostar em um contra-ataque, mas sequer conseguia ficar com a bola. O São Paulo encurralava o adversário, mas pecava na falta de velocidade. Luis Fabiano teve uma das melhores chances, limpou Ferron duas vezes, mas demorou para bater e foi travado. Denilson, de fora da área, exigiu outra intervenção de Roberto aos 38 minutos.

Se o São Paulo não marcava, a Ponte quase abriu o placar em uma das únicas chegadas ao ataque no primeiro tempo. Chiquinho cruzou da esquerda e William cabeceou à esquerda, com muito perigo. Depois do susto no fim do primeiro tempo, o torcedor são-paulino pôde celebrar logo no início do segundo. Aos dois minutos, Ganso aproveitou saída errada do adversário e tocou para Luis Fabiano, que ganhou da zaga na velocidade e bateu de primeira, desta vez sem chance para Roberto.

A Ponte Preta, precisando do resultado, começou a sair mais e quase empatou aos 11 minutos. Após cobrança de falta, a bola sobrou para Artur, que bateu torto. A bola ainda raspou no travessão antes de sair. Aos 22, Adrianinho alçou bola na área e César cabeceou em cima de Rogério. Se não tinha qualidade para armar jogadas, os campineiros começavam a incomodar em lances de bola parada.

Jadson foi a campo aos 26 minutos, na vaga de Caramelo, e logo em seu primeiro lance deu lindo passe para Luis Fabiano finalizar. Roberto impediu o segundo do atacante. Com o passar do tempo, o São Paulo se mostrava cada vez mais satisfeito com o resultado, enquanto a Ponte não mostrava qualquer capacidade para assustar. Aos 44, os campineiros ainda tiveram uma grande chance e Paulo Miranda quase marcou contra, mas ficou nisso.

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 1 X 0 PONTE PRETA

SÃO PAULO – Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rodrigo Caio e Antônio Carlos; Caramelo (Jadson), Denilson, Maicon, Paulo Henrique Ganso (Lucas Evangelista) e Reinaldo; Welliton (Negueba) e Luis Fabiano . Técnico: Muricy Ramalho.

PONTE PRETA – Roberto; Artur, César, Ferrón e Uendel; Baraka, Magal (Rildo), Fellipe Bastos e Adrianinho (Brian Sarmiento); Chiquinho (Adailton) e William. Técnico: Jorginho.

GOLS – Luis Fabiano, aos dois minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Marcelo Aparecido de Souza (SP).

CARTÕES AMARELOS – Paulo Miranda (São Paulo); Baraka (Ponte Preta).

CARTÃO VERMELHO – Denilson (São Paulo).

RENDA E PÚBLICO – não disponíveis.

LOCAL – Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).