Conhecido ao longo dos anos por utilizar no time profissional muitas crias das suas categorias de base, o São Paulo poderá viver no próximo domingo, diante do Sport, no Recife, a inusitada situação de entrar em campo sem nenhum atleta formado nas divisões inferiores. Com a transferência de Éder Militão para o Porto e a possível saída de Liziero para a volta de Jucilei ao time, a equipe dirigida por Diego Aguirre deverá ter uma formação 100% “importada”, ou seja, com peças contratadas pelo clube.

A escalação do São Paulo deve ter: Sidão; Bruno Peres, Arboleda, Anderson Martins e Reinaldo; Jucilei e Hudson; Rojas, Nenê e Everton; Diego Souza. Nenhum integrante da provável formação para a partida é “made in Cotia”, como o clube costuma chamar as pratas da casa.

Não que o clube esteja mudando sua filosofia e abrindo mão dos talentos forjados dentro do Morumbi. Longe disso. Basta lembrar que, há pouco mais de uma semana, o São Paulo vencia o Cruzeiro em Belo Horizonte, em duelo dificílimo que ajudaria o time a chegar, dias depois, à liderança do Campeonato Brasileiro, com Luan e Liziero formando a dupla de volantes. Esses mesmos garotos estavam lado a lado em janeiro disputando a final da Copa São Paulo de Futebol Júnior.

“Temos conversado nas reuniões uma coisa: vamos olhar a base. A nossa base é muito boa, tem bons jogadores. Raí e todo mundo têm conversado sobre isso. É claro tem algumas contratações que são pontuais, você tem de trazer. Caso do Éder Militão, você tinha de repor e nós conseguimos com um belo jogador”, disse o coordenador de futebol, Ricardo Rocha, referindo-se a Bruno Peres, contratado da Roma .

Mesmo no elenco principal que trabalha diariamente no CT da Barra Funda, o que não falta é jogador da base: Rodrigo Caio (que era titular antes de sofrer lesão no pé esquerdo, em abril), Lucas Fernandes, Shaylon (que dividiu sua formação entre Chapecoense e São Paulo), Paulinho Boia, Araruna, Brenner, Liziero, Caíque e Lucas Perri, a maioria com participação em jogos nesta temporada.

RETORNO – Aguirre ainda não sinalizou a equipe titular que encara o Sport, o que deverá começar a fazer a partir do treino desta quinta-feira. Mas a tendência da volta de Jucilei ganha força por duas razões: primeiro, ele era o titular até se machucar, diante do Flamengo, em 18 de julho. Além disso, voltou a treinar normalmente, tanto que foi relacionado pela primeira vez, desde que se recuperou da lesão, no último domingo, na vitória sobre o Vasco.