O São Paulo não parece disposto a aceitar que a partida da próxima quarta-feira, contra o Atlético, pela final da Libertadores, seja disputada na Arena da Baixada. Os diretores do tricolor paulista foram pegos de surpresa pela informação de que o Atlético está construindo arquibancadas tubulares para aumentar a capacidade do estádio para 40 mil pessoas, se adequando ao regulamento da competição.

Os são-paulinos pretendiam tirar do rubro-negro paranaense um de seus principais trunfos: a pressão da fanática torcida atleticana em seu estádio. Por isso, desde o primeiro momento deixaram claro que não aceitariam disputar a partida na Arena, usando como argumento a exigência do regulamento. Ao saber da solução encontrada pelo Atlético, os dirigentes paulistas reclamaram bastante. "É uma burla ao regulamento, uma aventura. Muita gente pode morrer", disse Juvenal Juvêncio, diretor de futebol do clube.

O presidente Marcelo Portugal Gouvêa também disse que não aceitará passivamente qualquer decisão. "Quero ver a vistoria no estádio e quem será responsável por ela. Não podemos colocar os torcedores em risco", avisou. "Vou exigir que o regulamento seja cumprido."

O São Paulo se apega a um comunicado da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) descartando a possibilidade de a final ser disputada na Arena. Os são-paulinos dizem ter recebido o documento às 19h30, depois de o Atlético ter apresentado o plano de ampliação do estádio. Porém, o clube paulista teria recebido o fax antes de o Atlético ter recebido o aval da Conmebol para iniciar as obras.

com agências

Torcida na bronca com aumento do ingresso

São Paulo ? AE

A notícia de que os ingressos de arquibancada para a final da Copa Libertadores da América custarão R$ 50,00 pegou de surpresa os são-paulinos. Indignados, eles garantem que vão reclamar com a diretoria do clube. Mas o presidente Marcelo Portugal Gouvêa já avisou: "Podem reclamar, que isso não vai mudar".

Até as semifinais, pagava-se R$ 15,00 pelo bilhete mais barato em jogos no Morumbi. Diante do River Plate, na briga pela vaga na final, o preço dobrou. E agora, contra o Atlético-PR, quando vale o título, foi para R$ 50,00.

"Foi um verdadeiro balde de água fria, para ser bem sincero", desabafou Ricardo Barbosa Maia, presidente da torcida organizada Independente. "Estamos sempre com o time, nos momentos bons e ruins. Agora que vem o "filé" acontece essa sacanagem."

O presidente da torcida organizada avisou que está tentando marcar uma reunião com os dirigentes do clube para segunda ou terça-feira. "A gente espera 11 anos para chegar até a final da Libertadores e acontece isso? Para ir até Curitiba, por exemplo, são R$ 100 só de transporte. Quem vai ter esse dinheiro?", reclamou Ricardo Barbosa Maia.

Outro que ficou indignado foi Marcos dos Passos Silva, vice-presidente da Independente da sub-sede do ABC: "Futebol virou máfia mesmo. É uma palhaçada, uma sacanagem! Não vou poder ir aos jogos. Já é difícil ganhar R$ 10, imagina R$ 50. Não dá nem vontade de torcer".

Do lado do São Paulo, Marcelo Portugal Gouvêa garante que não vai ceder. "Podem reclamar. Um jogo desses só acontece a cada dez anos, tem de ser mais caro mesmo. Por ser uma final de Libertadores é justo que os preços sejam mais caros", explicou o dirigente do clube.

O presidente da torcida pede a compreensão de Marcelo Portugal Gouvêa: "Tem muita gente ligando aqui para reclamar, e olha que nem todo mundo é da Independente. Somos nós que comandamos as arquibancadas. E olha que o pessoal que foi para a Argentina ainda não está nem sabendo do preço ainda".

De qualquer maneira, ele garante que o estádio estará lotado. "Mesmo que custem R$ 200 os ingressos para arquibancada o pessoal vai. Não a gente, da Independente, mas outras pessoas pagariam para ver essa final. O pior é que acho que vai ser muito difícil conseguirmos mudar os preços", revelou o presidente da torcida.

Segundo Marcelo Portugal Gouvêa, o São Paulo deve arrecadar perto de R$ 2 milhões com a bilheteria na final da Libertadores. E as entradas para o jogo do dia 13 de julho, no Morumbi, começam a ser vendidos no domingo – a partida de ida, com mando do Atlético-PR, será no dia 6. "Já tenho pedido de reserva de mais de 10 mil ingressos", contou o presidente do clube.

Time reserva contra a Ponte

Campinas – Agência Placar

Líder do Campeonato Brasileiro com 20 pontos, a Ponte Preta recebe a visita do São Paulo hoje, às 18h10, no estádio Moisés Lucarelli. Enquanto o time da casa entra em campo com pique total, a fim de manter a dianteira, os visitantes mais uma vez usarão um time recheado de reservas, já que os titulares estão mais concentrados do que nunca na Libertadores.

As baixas tricolores também atingem o time reserva. O atacante Roger, vice-artilheiro do Brasileirão com seis gols, está suspenso com três cartões amarelos e não joga. Dessa forma, não terá a oportunidade de enfrentar sua ex-equipe, pela qual marcou cinco gols no torneio. Só um foi pelo Tricolor, no jogo contra o Paysandu.