São Paulo (AE) – O São Paulo derrotou o The Strongest por 3 a 0, nesta quarta-feira noite, no Morumbi, e garantiu o primeiro lugar do Grupo 3. A vitória deu ao time de Paulo Autuori a provisória quinta melhor campanha da primeira fase da Libertadores. E nas oitavas-de-final, ainda sem adversário definido, a vantagem de jogar em casa a segunda partida.

A noite no Morumbi foi de marcas expressivas. Rogério Ceni completou a 600.ª partida com a camisa tricolor – e Luizão marcou o seu 26.º gol em Libertadores, somando passagens pelo Vasco, Grêmio, Corinthians e São Paulo.

O jogo não foi bom. O São Paulo só acordou depois de 30 minutos do primeiro tempo. Até ali, praticava um futebol sem graça. Parecia que o time estava acomodado, seguro de que venceria sem esforço. Não havia aquele ritmo de Libertadores, de entrega total. Apenas a torcida estava agitada, empolgada à espera de uma goleada.

Do lado do The Strongest, nada animador também. Nenhuma luz. O time não conseguia trocar dois passes seguidos. Fechado lá atrás, marcava bem, mas nem cogitava um contra-ataque atrevido ou, no mínimo, organizado.

Preferiu ficar em seu campo. Bom para o São Paulo que, apesar da apatia, foi encostando, encostando até chegar aos gols. O primeiro foi de Edcarlos. Júnior cobrou escanteio, Lugano escorou de cabeça e Edcarlos mandou para a rede, aos 35 minutos.

O gol acordou o Morumbi e deixou zonzo o time boliviano. Tão atordoado que, aos 38, Grafite serviu Luizão livre na entrada da grande área. Ele recebeu a bola e colocou certeiro: 2 a 0. Luizão foi comemorar com os reservas e comissão técnica à beira do campo. Tinha motivos de sobra: acabava de marcar o seu 26.º gol na Libertadores e assumia a artilharia absoluta de brasileiros na competição sul-americana. Superou Palhinha (ex-Cruzeiro, Corinthians e Atlético-MG nos anos 70) – até então o maior goleador do Brasil na Libertadores, com 25 gols.

No segundo tempo, Paulo Autuori voltou com o atacante Diego Tardelli no lugar do zagueiro Edcarlos. O treinador percebeu que não precisava de três zagueiros e sim de três atacantes para ampliar o placar e chegar à goleada. Se ganhasse por cinco gols de diferença, ultrapassaria Santos e Tigres do México no ranking dos primeiros colocados. Tardelli no setor esquerdo, Grafite na direita e Luizão na grande área era a aposta do treinador.

Na primeira jogada de ataque, Júnior lançou Tardelli na esquerda e ele cruzou para Grafite marcar de cabeça, aos 7 minutos: 3 a 0. O The Strongest estava batido. A torcida tricolor, nem aí com o adversário. Nem era necessário pressionar mais. Cantando, os torcedores queriam gols, muitos gols.

Mas o time não respondeu. Tocou muito a bola, procurou jogadas de efeito e parou na displicência de Diego Tardelli, que perdeu um gol incrível.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 3 X 0 THE STRONGEST

GOLS – Edcarlos aos 35 e Luizão aos 38 minutos do primeiro tempo; Grafite aos 7 minutos do segundo tempo.

SÃO PAULO – Rogério Ceni; Fabão, Lugano e Edcarlos (Diego Tardelli); Cicinho, Mineiro, Josué, Danilo (Marco Antônio) e Júnior; Luizão e Grafite. Técnico: Paulo Autuori.

THE STRONGEST – Arias; Vaca, Cuadrado e Ricaldi; Gutiérrez (Flores), Coelho, Tufiño, Medina e Rocabado (Cardozo); Escobar e Cuéllar (Líder Paz); Cuba. Técnico: Eduardo Villegas.

JUIZ – Horacio Elizondo (ARG).

CARTÃO AMARELO – Nenhum.

RENDA – R$ 379.011,00.

PÚBLICO – 24.986 pagantes.

LOCAL – Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).