Berlim – A seleção da Alemanha está em crise. Jurgen Klinsmann pode até entregar o cargo de técnico amanhã se a Federação Alemã de Futebol (DBF) insistir em nomear o ex-jogador Mathias Sammer como diretor esportivo da comissão técnica. Klinsmann havia indicado Bernhard Peters, treinador da seleção de hóquei. A renúncia do treinador, anuncia a imprensa de Berlim, provocaria um terremoto no futebol alemão a quatro meses da Copa do Mundo.

Na tentativa de amenizar a crise, Klinsmann disse ontem que acataria a decisão da presidência da DFB. O diário Bild garantiu que se a federação impor Sammer, o treinador da seleção entregaria o cargo de ?forma espontânea? na reunião de hoje na entidade. ?Aceitaremos a decisão da presidência, sem conseqüências pessoais seja qual for o escolhido?, disse Klinsmann.

Os alemães aguardam a decisão com muita expectativa. Klinsmann tem sérias divergências com Sammer, que foi seu companheiro de seleção na vitoriosa campanha da Eurocopa de 1996. Os dois não se bicam desde aquele torneio. Há dez dias, quando a candidatura de Mathias Sammer foi lançada pela própria DBF, Klinsmann se manifestou contra.

O técnico gostaria de ver Peters no cargo, como uma idéia nova ao futebol: incluir na seleção treinadores que vieram de outros esportes. Entre os dirigentes, esta posição de Klinsmann bate de frente com os que defendem um profissional do futebol para ser o diretor esportivo.

Matthäus

No caso de uma renúncia do treinador, a federação não teria um nome de unanimidade. Dos ex-jogadores consagrados, Rudi Völler dirigiu a Alemanha na Copa de 2002 e deixou o cargo para Klinsmann assumir. E Lothar Matthäus, candidato natural, seria conduzido ao cargo só em 2007, depois de passar pelo ?estágio? no futebol brasileiro comandando o Atlético Paranaense.