Depois da disputa do Grand Slam de Tyumen no último fim de semana, quando conquistou o recorde de 10 medalhas (cinco de ouro, duas de prata e três de bronze), a seleção brasileira de judô permanece na cidade russa para um período de treinos. O grupo fica por lá até quinta, trabalhando ao lado de judocas de outros países.

Na quinta-feira, a seleção se divide. Os homens (Felipe Kitadai, Charles Chibana, Alex Pombo, Victor Penalber, Luciano Corrêa e Rafael Silva) voltam para o Brasil. E as mulheres seguem para mais um período de treinos, dessa vez em Colônia, na Alemanha.

Sarah Menezes, Erika Miranda, Rafaela Silva, Ketleyn Quadros, Mariana Barros, Bárbara Timo, Mayra Aguiar e Maria Suelen Altheman são as judocas que estão na Rússia e seguem para a Alemanha, onde irão se juntar a outras atletas brasileiras: Nathalia Brigida, Mariana Silva, Katherine Campos, Maria Portela e Rochele Nunes, todas também com chances de ir ao Mundial, em agosto, na cidade russa de Chelyabink.

“Os treinos aqui na Rússia estão ótimos, muito fortes. Essa etapa já faz parte da fase final do nosso planejamento. Este ano nós tivemos o treinamento no Japão, que agregou muita experiência aos nossos judocas. No Grand Slam de Tyumen, por exemplo, conseguimos muitas vitórias contra os japoneses”, afirmou Ney Wilson, gestor técnico da seleção, que também ressaltou a importância do intercâmbio na Europa. “Os europeus treinam de forma diferente e é importante que nossos atletas também tenham contato com esse estilo de treino.”