O primeiro dia de atividades na Fórmula 1 após as “férias de verão” na Europa foi marcado nesta quinta-feira pelo anúncio do calendário de 2020 da maior categoria de automobilismo do mundo. Com a confirmação dada no dia anterior da renovação de contrato com o GP da Espanha e as inclusões de Vietnã e Holanda, a F-1 terá um recorde de 22 corridas. Só a Alemanha ficará de fora.

A programação de 2020 manterá uma pausa de quatro semanas em agosto, durante o verão no hemisfério norte, mas incluirá sete pares de corridas consecutivas, o que é um recorde.

A nova corrida do Vietnã, em Hanói, será o terceiro evento da temporada, em 5 de abril, logo após a sequência de Austrália e Bahrain em março. A corrida de Zandvoort, que será a primeira da Fórmula 1 na Holanda desde 1985, está marcada para o dia 3 de maio, dando início à perna europeia – embora isso seja interrompido pela sequência de junho no Azerbaijão e no Canadá.

“É com grande satisfação que hoje (quinta-feira) publicamos o rascunho do calendário 2020”, disse o CEO da F-1, o norte-americano Chase Carey, da Liberty Media, em um comunicado oficial divulgado nesta quinta-feira. “É o ano em que a categoria comemora o seu 70.º aniversário e terá, pela primeira vez, um calendário de 22 corridas”.

O dirigente ressaltou o apoio de todos os envolvidos na Fórmula 1, FIA (Federação Internacional de Automobilismo) e equipes, para a aprovação do novo calendário. “É significativo para o nosso esporte e confirma nossa estratégia de longo prazo. Desde que nos envolvemos nesse esporte, em 2017, conversamos sobre o desenvolvimento de novas cidades para ampliar o apelo da F-1 e, ao mesmo tempo, consolidar nossa presença no Europa, a casa tradicional do automobilismo”, afirmou.

“A temporada com um recorde de 22 GPs recebeu apoio unânime da FIA e de todas as equipes e demonstra claramente a confiança que existe no futuro do nosso esporte”, completou Chase Carey.

O calendário para 2020 continua sujeito à aprovação do Conselho Mundial de Automobilismo, que se reunirá no próximo mês. A corrida em Monza, na Itália, ainda não tem um contrato em vigor para o próximo ano, mas, segundo o comunicado da Fórmula 1, o compromisso está “atualmente sendo finalizado”.

Confira o calendário de 2020 da Fórmula 1:

15 de março – Austrália (Melbourne)
22 de março – Bahrein (Sakhir)
5 de abril – Vietnã (Hanói)
19 de abril – China (Xangai)
3 de maio – Holanda (Zandvoort)
10 de maio – Espanha (Barcelona)
24 de maio – Mônaco (Montecarlo)
7 de junho – Azerbaijão (Baku)
14 de junho – Canadá (Montreal)
28 de junho – França (Paul Ricard)
5 de julho – Áustria (Spielberg)
19 de julho – Grã-Bretanha (Silverstone)
2 de agosto – Hungria (Budapeste)
30 de agosto – Bélgica (Spa-Francorchamps)
6 de setembro – Itália (Monza)
20 de setembro – Cingapura (Cidade de Cingapura)
27 de setembro – Rússia (Sochi)
11 de outubro – Japão (Suzuka)
25 de outubro – Estados Unidos (Austin)
1 de novembro – México (Cidade do México)
15 de novembro – Brasil (São Paulo)
29 de novembro – Abu Dabi (Yas Marina)