te612012004.jpg

Paraná Começou na frente,
mas deixou o Inter virar.

O Paraná Clube se despediu do Brasileirão 2004 com uma melancólica derrota por 2 a 1, ontem à tarde, no Beira-Rio, para o Internacional, encerrando um ano que foi marcado pelo coração apertado do torcedor tricolor. No paranaense, o time teve que disputar o torneio da morte, e passou várias rodadas na zona do rebaixamento durante o campeonato brasileiro.

Já o Inter, pôde respirar aliviado. Com a vitória, o Colorado já garantiu presença na Copa Sul-Americana, ultrapassando o Fluminense na tabela de classificação e, mesmo que sejam devolvidos os pontos ao São Caetano pelo STJD, no julgamento de amanhã, fica com a vaga como o nono melhor do campeonato. Por enquanto, ele é o oitavo e o Flu o nono.

O Paraná, que encerrou a temporada com a 15.ª colocação na temporada nacional, entra, esta semana, num momento de decisão sobre o futuro. O técnico Paulo Campos deve definir se fica no Tricolor ou aceita a proposta do Catar – ainda existe a possibilidade de o treinador se transferir para uma equipe da Série A.

No jogo da despedida, no entanto, o esquema montado por Campos foi sofrível. O Paraná abdicou do ataque, praticamente durante os noventa minutos. Ficou mais preocupado em proteger sua defesa, e partiu para o contra-ataque apenas em raras oportunidades.

Assim foi o panorama do primeiro tempo. O Paraná teve competência defensiva, mais ainda pela péssima atuação do Inter, mal posicionado em campo. Nervoso, o Inter vivia de participações de elementos surpresa nas jogadas de área, como a chegada dos zagueiros Wilson e Vinícius.

Da metade para o fim do primeiro tempo, no entanto, o Inter ficou mais à vontade, até mesmo pela capacidade de marcação tricolor ter afrouxado. E o Inter foi pra cima e conseguiu, através de Rafael Sóbis, acertar o travessão de Darci.

Quando tudo começava a se encaminhar para uma vitória Colorada, pela pressão apresentada, o esquema de contra-ataques surtiu o efeito desejado. Cristian tomou a bola ainda no campo de defesa, para Maranhão, que deu um corte seco em Wilson e tocou "açucarada" para Marcel. O meia teve apenas o trabalho de escolher o canto e colocar o Paraná na frente no placar, no finzinho do primeiro tempo.

No segundo tempo, apesar do resultado, brilhou a estrela do goleiro Darci. O substituto de Flávio salvou o Tricolor de tomar três gols certos do Colorado. Mas numa bobeira do capitão Axel, que perdeu a bola no meio-de-campo, o ataque rápido de Rafael Sóbis e Diego, sobrou Rodrigo Paulista que ficou à frente do goleiro – o jovem atacante teve tranqüilidade e deixou tudo igual no escore.

Logo depois, em outra jogada de velocidade pela direita, Diego cruzou e o zagueiro Emerson, tentando tirar, acabou marcando contra.

A festa no Beira-Rio durou até o final da partida. O Inter ainda criou outras duas oportunidades, mas voltou a pecar nas conclusões e não mexeu mais no placar.

CAMPEONATO BRASILEIRO

46.ª Rodada

Gol: Marcel, aos 44? do 1.º tempo; Rodrigo Paulista, aos 29? e Emerson (contra) aos 35? do 2.º.

Árbitro: Edílson Pereira de Carvalho.

Cartões amarelos: Messias e Vicente.

Público: pagantes (não divulgado) total 13.293.

Renda: não divulgada.

Local: Beira-Rio (Porto Alegre)

INTERNACIONAL 2 x 1 PARANÁ

Inter: André; Sangaletti (Rogério), Vinícius, Wilson; Cleiton Xavier (Wellington), Edinho, Gavilán, Rodrigo Paulista (Bolívar) e Chiquinho; Diego e Rafael Sobis. Técnico: Muricy Ramalho.

Paraná: Darci; Goiano, João Paulo, Emerson e Vicente; Messias, Axel, Cristian (Edinho), Canindé (João Vitor) e Marcel (Vandinho); Maranhão. Técnico: Paulo Campos.