Apesar de não ter ainda um grupo numeroso e de não estar profundamente envolvida em negociações, a diretoria do Paraná Clube ainda não procurou o principal jogador do time para negociar a renovação de contrato. Desvinculado do Tricolor desde o dia 1º, Lúcio Flávio voltou de viagem e até agora não foi chamado para conversar. Apesar do amor do meio-campista pelo clube que o revelou – e que escolheu para voltar em 2012 -, ele gostaria de resolver de uma vez seu futuro.

Se depender apenas do desejo de Lúcio, ele continua na Vila Capanema. Em entrevista ao Globo Esporte, da RPC, o armador deixou claro que seus planos são semelhantes a de um colega e contemporâneo das quadras de futsal. “Se eu puder fazer como o Alex, começar e terminar a carreira no Paraná Clube, seria muito bom”, disse. Ao fator emocional se soma um desejo de continuar em Curitiba, perto da família e com toda a estrutura de vida.

Só que o coração não vai decidir essa parada sozinho. A razão de Lúcio Flávio pensa na série de problemas que o Paraná passou nos últimos anos, e que se intensificaram no segundo semestre de 2014. Por isso, a mínima contrapartida que espera não é no salário, mas sim na organização. “O Paraná tem que buscar uma estrutura. Se não dá para contratar, tem que buscar na base atletas que tenham identificação com o clube”, comentou.

Na última segunda, Lúcio confirmou que teve propostas de outros clubes – e as descartou em nome de uma possível permanência no Tricolor. “Abri mão de algumas propostas”, disse à Tribuna. As conversas com a diretoria começaram na semana passada e pararam. Na própria segunda ele esperou pelos dirigentes e nada. Ontem da mesma forma. “Por enquanto eu continuo aguardando um posicionamento do clube”, completou.

O camisa 10 da Vila quer resolver sua vida. “Espero definir com eles (diretoria) alguma situação mais concreta, de ficar ou não”. A tendência é permanecer – principalmente porque Lúcio Flávio não quer ir embora. Mas falta o Paraná Clube se manifestar.