A expectativa é pela
estréia de Fofão no Rexona.

Com várias novidades, o Rexona-Ades estréia hoje na décima edição da Superliga Feminina de Vôlei, às 18h no ginásio do Tarumã, em Curitiba. A levantadora Fofão e as atacantes Sassá e Elisângela, todas da seleção brasileira, são os principais destaques do renovado time que foi o terceiro colocado na temporada passada.

O principal objetivo da equipe, é conquistar o tão almejado terceiro título da mais importante competição do País. Mas para chegar, lá, o técnico Hélio Griner estipulou etapas a vencer. “A idéia é terminar entre os quatro primeiros após a primeira fase, para iniciar a disputa dos play-offs em casa”, explica Griner.

O Rexona, campeão em 1997/1998 e 1999/2000, abre pela sexta vez sua participação na competição em casa. Foram cinco vitórias e somente uma derrota.

Após duas semanas de treinamento, a equipe dirigida pelo técnico Helio Griner terá de se superar contra o também recém-formado Força Olímpica/Brasil Telecom, de Brasília, conforme explica a experiente levantadora Fofão, que pela primeira vez veste a camisa do Rexona-Ades.

“Estréia sempre preocupa, pois a gente não sabe exatamente como o time vai se comportar, se vai jogar bem ou não. Estou ansiosa pela partida, pois será minha estréia no Rexona e ainda em casa. Temos de encontrar o equilíbrio e eu tenho de ter tranqüilidade e calma quando enfrentarmos momentos difíceis”, disse Fofão, de 33 anos.

Outra jogadora experiente e com passagens pela seleção brasileira é a atacante Elisangela, que nesta temporada está de volta ao Rexona onde foi revelada. “Todas estamos ansiosas, independentemente de ter mais ou menos experiência. Esta é a primeira vez que a equipe estará completa e queremos ver o resultado do trabalho que está começando agora, ver como o time vai se comportar. A Superliga é como uma escadaria e a gente tem de chegar bem na fase do mata-mata, mas não pode bobear agora.”

Para Helio Griner a maior preocupação é justamente a falta de entrosamento da equipe, que somente nos últimos 15 dias pode treinar junto, pois Elisângela se recuperou de lesão no ombro direito e Sassá e Fofão estavam servindo à seleção brasileira.

“Toda a estréia é difícil, ainda mais o time jogando pouco junto, como é o nosso caso, e por termos tido tantas mudanças da temporada passada para esta”, disse Griner.

Os ingressos para a estréia do Rexona-Ades serão vendidos nas bilheterias do Tarumã a partir das 13h30. Arquibancadas custam R$ 4, cadeiras R$ 8 e cadeiras camarotes R$ 12.

Bernardinho aposta que reforços fazem a diferença

Depois de alguns dias de descanso e recuperação da longa viagem e do fuso horário, o técnico Bernardinho acompanhou o treino do Rexona-Ades ontem à tarde no Tarumã. Campeão mundial e da Copa do Mundo, entre outros importantes títulos com a seleção brasileira masculina, Bernardinho disse que confia muito numa boa temporada da equipe.

“Sem demérito nenhum às outras levantadoras, Fofão e Fernanda Venturini fazem a diferença. Com a Fofão no time nesta temporada nós temos melhores chances de fazer boa campanha”, disse Bernardinho.

O técnico acompanhou o treinamento tático realizado e chegou a dar orientações a algumas jogadoras. Bernardinho teve papel fundamental na formação do elenco para esta temporada. “Tivemos muito trabalho na montagem do time. A Fofão estava sem rumo e fizemos muito esforço para trazê-la. Ela é uma jogadora de qualidade excepcional e que vai ajudar algumas outras a se sobressaírem. A Sassá, que fez duas excelentes Superligas, pode ter suas qualidades mais evidenciadas, pois a bola vai chegar melhor ainda e com a velocidade que ela tem pode ter um crescimento muito grande.”

Para Bernardinho, coordenador-geral do Centro Rexona-Ades de Voleibol, a experiência e os ataques de ponta de Elisângela também serão fundamentais para o time chegar às fases decisivas em boas condições.

“No ano passado nós tínhamos a Raquel, que também possui um bom ataque, mas a Elisângela tem bloqueio melhor. Nesta temporada o Rexona-Ades está mais equilibrado e, como já disse, temos o diferencial da Fofão, algo que nos faltou nos últimos três anos”, completou Bernardinho, que vai acompanhar ao vivo a estréia do time.