O volante Cambará fechou o ano como titular do Paraná Clube. Mesmo com contrato até 2014, ele não disputará o Campeonato Paranaense. O destino do atleta será o interior paulista, mais precisamente a cidade de Itu. O jogador de 28 anos volta a disputar o Paulistão, agora pelo Ituano, time de Juninho Paulista. A transferência do atleta, por empréstimo, foi definida na tarde de ontem. A diretoria do Paraná Clube já havia antecipado que o jogador não permaneceria por uma questão de economia.

Com as renovações de Zé Luís e Ricardo Conceição – e a contratação de um outro volante “engatilhada” -, a saída de Cambará dependia apenas da definição do destino do jogador, que tinha uma proposta de transferência para o exterior. “Isso ainda pode ocorrer, mas não agora”, explicou o representante do atleta, Marcos Amaral. Segundo o empresário, um grupo de investidores estaria interessado na aquisição do atleta, mas apenas na janela do meio do ano. “Ele está indo para o Ituano, mas com valores estipulados para uma negociação definitiva. Ficou bom para todo mundo”, analisou Amaral.

Cambará chegou ao Paraná no ano passado, após se destacar na disputa do Estadual, pelo Operário de Ponta Grossa. Fez uma boa Série B e acabou indo para o Bragantino (por empréstimo). Retornou à Vila Capanema para a disputa do Brasileiro, mas não conseguiu se firmar no time de Ricardinho. “Acho que uma série de fatores contribuiu para isso. Um ponto importante foi a nossa instabilidade nos jogos fora de casa”, lembrou Cambará, que deve se apresentar hoje ao técnico Roberto Fonseca (ex-Paraná) para a pré-temporada no Ituano. Em 2012, a melhor sequência de Cambará no Tricolor ocorreu exatamente na reta final da Série B, quando emplacou quatro jogos seguidos como titular, sob o comando de Toninho Cecílio.

Se após o Paulistão a venda de Cambará não se confirmar, ele poderá retornar ao Paraná. Esta, porém, é uma possibilidade remota. O clube já estendeu os contratos de Zé Luís e Ricardo Conceição, e Borges foi promovido da base. Além disso, o Tricolor estaria perto de um acerto com outro volante para “brigar” pela titularidade. Num primeiro momento, com quatro opções, não haveria a necessidade de outros jogadores para o setor.