As obras na Arena da Baixada saberão hoje à tarde se finalmente poderão receber novas parcelas do financiamento realizado junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O Tribunal de Contas do Paraná (TCE-PR) que apontou irregularidades na operação financeira envolvendo as obras do estádio atleticano e bloqueou o repasse da verba do financiamento no início de julho, vai se pronunciar se a CAP S/A – gestora da reforma do Joaquim Américo – poderá voltar ter acesso aos recursos. Há mais de três meses, o TCE-PR pediu exigiu a unificação dos orçamentos entre a CAP S/A, o Governo do Estado, a Prefeitura de Curitiba e o BNDES. Na ocasião, cada um dos organismos, responsáveis por um terço do financiamento, tinha em mãos orçamentos distintos.

O Atlético, na oportunidade, havia apresentado um valor de R$ 219,7 milhões para a obra, superior à quantia de R$ 184,6 milhões que os poderes estadual e municipal tinham em mãos.