São Paulo (AE) – O Natal pode chegar hoje para o Atlético Paranaense. O Furacão de Curitiba abrirá seu maior presente do ano – o segundo título nacional – se houver uma combinação nada improvável de resultados. O líder do campeonato brasileiro, 85 pontos em 44 rodadas, garante a taça se ganhar do Vasco, em São Januário, e se o vice-líder Santos, 83, não passar pelo São Caetano, no Estádio Anacleto Campanella. Qualquer outra combinação empurra a definição da temporada para a semana que vem, na 46.ª e última jornada da Série A de 2004.

A chance maior, teoricamente, é do Atlético, por depender apenas de sua eficiência. A equipe do técnico Levir Culpi chega à 45.ª rodada com retrospecto bem aceitável: tem o maior número de vitórias (25, ao lado do Santos), o menor número de derrotas (9, contra 11 de seu perseguidor) e o segundo melhor ataque (92, contra 98 da equipe de Luxemburgo). De quebra, conta com Washington, artilheiro da competição, com 33 gols – Deivid e Robinho estão com 21, em segundo.

O Atlético só deixa escapar a vantagem se tropeçar diante do rival ameaçado de rebaixamento – o Vasco tem 51 pontos – e se o Santos ganhar do São Caetano, hoje com 53 pontos, mas com possibilidade de recuperar 24 que lhe foram tirados no tribunal esportivo. Mesmo com eventual troca de ponteiros, a decisão iria para domingo que vem, quando os paranaenses recebem o Botafogo, na Arena da Baixada, e os santistas hospedam o Vasco em São José do Rio Preto (SP).

O São Paulo corre por fora nessa briga pelo título. Com 81 pontos, tem de fazer sua parte e torce para que pelo menos o Atlético não vença. Caso contrário, não adiantará nada acumular mais duas vitórias. A missão de Leão e seus jogadores no Morumbi é delicada, pois têm pela frente o Flamengo, na zona de degola com 50 pontos. Na semana que vem, o São Paulo encerra participação contra o Goiás.

De qualquer forma, o trio está classificado para a fase principal da Taça Libertadores do ano que vem. O São Paulo só corre algum risco de jogar a etapa preliminar do torneio sul-americano, se derrapar duas vezes e se o São Caetano recuperar os pontos e ainda ganhar os jogos restantes. Panorama afinal pouco provável.

A preocupação de algumas equipes é bem menos agradável. O Botafogo, com 50 pontos, recebe o Corinthians em Caio Martins, e luta por vitória salvadora, que o afastaria de regressar ao limbo da Série B. Cruzeiro e Vitória vivem drama semelhante, em Belo Horizonte.

O time mineiro, campeão com brilho no ano passado, tem 53 pontos, e se satisfaz com empate para ver anulada a ínfima (0, 01%) ameaça de cair. Já os baianos, com 48 e na zona de rebaixamento, não têm alternativa, a não ser o de bater o adversário. Caso contrário, aprontam as malas para a Segundona.