Sérgio Soares tenta aproveitar cada segundo na montagem do “novo” time tricolor. Com uma sequência de coletivos -sempre interrompidos para ajustes de posicionamento – o treinador vai dando a sua feição ao Paraná Clube.

O 4-4-2 está mantido e, ao que tudo indica, a única dúvida está na composição da zaga. No primeiro trabalho, ainda com Aderaldo se ressentindo de dores musculares, armou a defesa com Gabriel e Dirley. No segundo treino, Freire e Aderaldo foram escalados. E, ontem à tarde, a dupla foi formada por Dirley e Aderaldo.

Hoje, deverá definir a equipe para o jogo contra o Atlético Goianiense. É certo que Murilo Ceará e Edimar entram nas vagas de Fabinho e Adoniran, que cumprem suspensão automática. Porém, a alteração mais significativa ocorre no ataque.

Sem Wellington Silva, lesionado, e Alex Afonso num mau momento, a aposta de Sérgio Soares é na velocidade. Wando e Bebeto formam o ataque da equipe para o jogo em Goiânia.

“É a hora da virada, vamos atrás desse resultado”, disse Wando, ainda sem encontrar justificativa para o fato de não repetir no Paraná o que fez por outros clubes onde passou.

Conhecendo bem os “atalhos” do Serra Dourada, o atacante espera reencontrar o seu melhor momento, agora com a camisa tricolor. “Sempre consegui boas atuações no Serra Dourada”, recorda o jogador, que por lá atuou no Vila Nova e no Goiás. Wando admitiu que a mudança no comando técnico já foi sentida.

“O Sérgio Soares tem uma cobrança mais forte. Fala alto”, disse Wando, que busca, ainda, o seu primeiro gol no Paraná. “Qualidade, esse grupo tem. Precisamos é de vitórias para sair dessa posição incômoda”, arrematou.