O Atlético terá um um dia importante no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). A 5.ª comissão disciplinar do tribunal julga os incidentes ocorridos no clássico contra o Coritiba, que aconteceu há duas semanas, na Vila Capanema. O time atleticano, se for punido, corre o risco de perder mando de jogo de até dez partidas e de não jogar mais em Curitiba na reta final do Campeonato Brasileiro.

O Atlético, que será defendido mais uma vez pelo advogado Domingos Moro, será julgado com base nos artigos 191, 206, 211 e 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). O Rubro-Negro vai responder por um isqueiro atirado no banco de reservas do Coritiba e pela briga entre os próprios torcedores do Furacão no intervalo da partida, além do atraso para o início do segundo tempo por causa do risco de queda do alambrado em frente às arquibancadas da reta do relógio.

O Atlético tem mais quatro jogos para disputar como mandante. O Furacão tem pela frente, em compromissos marcados para a Vila Capanema, o Internacional, o São Paulo, o Náutico e o Vasco.

O Atlético tentará se apegar no argumento de que a Polícia Militar agiu rapidamente para conter os distúrbios e que nehum torcedor invadiu o campo de jogo.