A seleção brasileira de tae kwon do terá representantes em seis das oito categorias em disputa nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara. E projeta ganhar medalhas em todas elas, começando já neste sábado, quando lutam Márcio Wenceslau (até 58kg) e Kátia Arakaki (até 49kg).

No Pan do Rio, há quatro anos, o Brasil conquistou quatro medalhas no tae kwon do: ouro com Diogo Silva, prata com Natália Falavigna e Márcio Wenceslau e bronze com Leonardo dos Santos. Agora, o técnico da equipe, Fernando Madureira, mostra otimismo e confiança para ir mais longe.

“O Pan-americano é um torneio difícil, mas o grupo está bem preparado e focado na competição. Conseguimos fazer uma preparação adequada e a fase final de treinos na altitude foi muito proveitosa”, afirmou Fernando Madureira, que, no entanto, evitou fazer prognósticos de medalhas.

Uma das estrelas da equipe é Diogo Silva, que busca o bicampeonato na categoria até 68kg. “Estou mais experiente e confiante num bom resultado. Embora a competição tenha um nível forte, minha preparação foi muito boa e sei que posso brigar pelo ouro”, avisou o lutador de 29 anos.

Outra aposta brasileira é Natália Falavigna, que foi prata no Pan do Rio e também ganhou bronze na Olimpíada de Pequim. “Estou feliz por voltar a fazer aquilo que mais gosto”, disse a lutadora de 27 anos, que se recuperou recentemente de uma cirurgia no joelho direito.

Além de Márcio Wenceslau, Kátia Arakaki, Diogo Silva e Natália Falavigna, a equipe brasileira de tae kwon do terá mais dois atletas no Pan de Guadalajara: Raphaella Galacho (até 67kg) e Douglas Marcelino (até 80kg), ambos novatos na disputa dos Jogos Pan-Americanos.